Vendas dos vinhos do Douro e Porto com redução de 50ME em 2020

As vendas vinhos do Douro e Porto atingiram os 517 milhões de euros em 2020, menos cerca de 50 milhões de euros do que no ano anterior, disse hoje a ministra da Agricultura.

Maria do Céu Antunes, que falava na Comissão de Agricultura e Mar a propósito da Casa do Douro, fez também um balanço das vendas dos vinhos produzidos na Região Demarcada do Douro, setor afetado pela crise provocada pela covid-19.

Segundo a ministra, em 2020, as vendas dos vinhos do Porto e do Douro representaram, no total, 517 milhões de euros.

Trata-se de uma quebra no volume de negócios de cerca de 50 milhões de euros comparativamente a 2019.

Relativamente ao Porto, verificou-se uma quebra de 10%, do Douro de 8,5% e, em média, as quebras nas duas denominações de origem, em termos de valor, atingiu os 9,5%.

De acordo com a governante, em valor as exportações de diminuíram 3% e, no mercado nacional, a redução foi de 22%.

A quebra das vendas em Portugal foram muito arrastadas pelo canal Horeca (hotéis e restaurantes), que praticamente fechou, e a diminuição do turismo internacional.

A ministra refutou as acusações de que o Ministério não esteve preocupado com o impacto desta crise no setor e lembrou que tentou mobilizar “todos os recursos disponíveis” para fazer face aos impactos no setor do vinho e da vinha de forma a “minimizar” e “mitigar” os efeitos causados pela pandemia.

Apontou ainda os 18 milhões de euros que foram colocados ao dispor dos agricultura para as medidas de destilação e armazenamento de crise e criação da reserva qualitativa para o vinho do Porto com o valor de cinco milhões de euros.

A ministra elencou também o reforço do programa VITIS para a recuperação e reconversão das vinhas de 50 milhões de euros para os 73,5 milhões de euros e referiu que foram criadas “medidas de discriminação positiva” para as regiões de montanha, onde os custos de produção são mais elevados.

Maria do Céu Antunes disse que cerca de 50% no montante do VITIS, ou seja cerca de 36 milhões de euros, foram para o Douro, e do total das medidas de crise, 29% foram para esta região.

“Entendemos que estivemos desde o primeiro momento atentos e que criámos, dentro daquilo que estava ao nosso dispor, os instrumentos necessários para salvaguardar estas matérias. De qualquer modo isto não esgota, de todo, a nossa intervenção, até porque voltamos a estar confinados, voltamos a ter o canal Horeca com grandes limitações”, salientou.

Maria do Céu Antunes referiu que o Governo português já questionou a Comissão Europeia sobre a continuidade dos instrumentos necessários para mitigar os efeitos da crise no setor.

Comente este artigo
Anterior Apoio à eletricidade verde só inclui componente fixa por falta de dotação - Ministra
Próximo Homem morre ao podar árvore na floresta

Artigos relacionados

Últimas

Federação das Associações de Suinicultores “não foi consultada” para a Estratégia dos Efluentes Agropecuários

“Foi com surpresa” que a FPAS tomou conhecimento da apresentação pública, esta terça-feira, pelo secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, e da secretária de […]

Nacional

Incêndios: Mira reivindica intervenção do Governo para recuperar áreas ardidas em 2017

O município de Mira, no distrito de Coimbra, pediu hoje a intervenção do Governo para recuperar a área florestal ardida nos incêndios de outubro de 2017, que destruíram mais de três mil hectares no […]

Nacional

São Miguel acolhe formação sobre boas práticas na cultura do ananás em Outubro

O Serviço de Desenvolvimento Agrário de São Miguel vai promover, de 7 a 22 de outubro, uma ação de formação sobre Boas Práticas na cultura do ananás direcionada a produtores em prol da sustentabilidade futura de uma produção centenária e emblemática da Região, […]