Vasco Cordeiro quer potenciar mais rendimento para fileira do leite nos Açores

Vasco Cordeiro quer potenciar mais rendimento para fileira do leite nos Açores

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, assegurou esta segunda-feira que o executivo pretende criar mais rendimento para a fileira do leite, estando disponível para integrar um processo de valorização do produto.

“Se se coloca a questão quanto à qualidade do leite, podemos e devemos, como já temos feito, valorizar a boa matéria-prima que é produzida na região”, afirmou o chefe do executivo açoriano em Ponta Delgada durante a apresentação do leite Nova Açores Pastagem, novo produto da Unileite – União das Cooperativas Agrícolas de Lacticínios da Ilha de São Miguel.

Dirigindo-se a dezenas de produtores, Vasco Cordeiro garantiu haver da parte do Governo dos Açores vontade de integrar o processo de diferenciação e de valorização do leite da região, com o objetivo de assegurar um rendimento cada vez maior de toda esta fileira na região.

“Se o nosso leite é de pastagem, por que não trabalharmos todos, e o Centro Açoriano de Leite e Laticínios é uma boa oportunidade para isso, para diferenciar e valorizar o leite de pastagem dos Açores?”, questionou o governante.

O executivo açoriano, prosseguiu, está disponível para ser parte de um processo de valorização do leite produzido na região, o qual não pode ser apenas um “exercício estéril de classificação”, já que deve ter repercussões económicas para toda a fileira e para o rendimento dos agricultores.

O novo leite hoje apresentado é produzido atualmente em 84 explorações agrícolas, englobando cerca de seis mil vacas leiteiras, numa produção que se prevê deva atingir cerca 56 milhões de litros por ano.

A Unileite, formada em 1954, dedica-se à produção de leite, queijo flamengo, queijo ilha e manteiga, detendo as marcas Nova Açores, São Miguel, Famoso, Unileite e Mic Mac.

O leite produzido nas cooperativas é, advogam os responsáveis, de “excelente qualidade, uma vez que este dá entrada nas linhas de produção praticamente após a ordenha das vacas que pastam livremente nos pastos micaelenses”.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Há sete meses que quase não chove no Algarve e a seca é extrema
Próximo Imigração para Portugal já cresceu 18% em 2019 (e ainda vai aumentar)

Artigos relacionados

Últimas

Cotações – Flores e Folhagens – Informação Semanal – 30 Setembro a 6 Outubro 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
Conjuntura semanal
Alstroeméria – Na Região Norte, na área de mercado de produção Entre Douro e Minho, […]

Blogs

The European Commission must not greenwash the Common Agricultural Policy

We are pleased to welcome this guest post by Célia Nyssens and Bérénice Dupeux, Policy Officers for Agriculture at the European Environmental Bureau. […]

Nacional

“Espero que não tenhamos de voltar a passar por uma situação como esta”

O primeiro-ministro, António Costa, agradeceu esta segunda-feira aos militares das Forças Armadas o trabalho desenvolvido durante a greve dos motoristas e manifestou a esperança de que o país não tenha de “voltar a passar por uma situação como esta”. […]