Vai ser criada uma associação para promover o Projecto Tejo

Vai ser criada uma associação para promover o Projecto Tejo

Cerca de um ano após a apresentação do Projecto Tejo, vai ser criada uma associação dedicada a esta iniciativa. A escritura de constituição da Associação Mais Tejo deverá ser assinada em Abril.

O autor do estudo que está na base do Projecto Tejo, Jorge Froes, explica que esta entidade sem fins lucrativos vai «funcionar como grupo de pressão e de divulgação e desenvolvimento» da iniciativa – que propõe construir um conjunto de infraestruturas no rio Tejo e nos seus afluentes, para optimizar o uso das águas superficiais destes cursos de água, com um amplo leque de objectivos. A intenção é convidar para a associação «todos os parceiros que estejam interessados no rio Tejo», indica o também engenheiro agrónomo de hidráulica, referindo que «vamos apostar fortemente nos privados», desde as grandes empresas às pequenas e médias empresas, sem esquecer os agricultores, mas contemplando igualmente câmaras municipais, que «também estão interessadas em entrar».

Outra «notícia importante» para o Projecto Tejo é a indicação – dada pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, em Março, na Comissão de Agricultura e Pescas da Assembleia da República – de que a Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Dgadr) já tem verba para lançar um concurso para realizar os estudos preliminares do Projecto Tejo e que esse concurso irá ser lançado a curto prazo. Jorge Froes refere que, tendo em conta as palavras do ministro, estes estudos preliminares deverão focar-se na viabilidade técnica – recursos hídricos necessários – e económica.

Na mesma ocasião, realça Jorge Froes, o ministro referiu ainda que a viabilidade da barragem do Alvito, no rio Ocreza, também iria ser estudada no âmbito do Projecto Tejo, nesta altura. Hoje, 16 de Março, durante uma audição na Assembleia da República, na Comissão do Ambiente, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, anunciou que a Agência Portuguesa do Ambiente irá avaliar os impactos da construção de uma barragem no rio Ocreza, com o objectivo de regular o caudal do rio Tejo.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Tagusvalley lança programa de inovação para o sector agroalimentar e industrial
Próximo 2BForest no Jobshop2019 de Agronomia

Artigos relacionados

Nacional

UE/Previsões. Jerónimo de Sousa preocupado pede aposta na produção nacional

O secretário-geral do PCP demonstrou hoje preocupação pelas previsões económicas para Portugal este ano face aos choques da covid-19, […]

Últimas

‘Águas mil’ de Abril não tranquilizam ambientalistas


Os números apontam para uma regressão da seca em Portugal no mês de abril. Ainda assim, os ambientalistas defendem que Portugal tem de se concentrar na poupança. […]

Sugeridas

Alqueva e escassez de água

Sou defensor do regadio em geral, enquanto meio imprescindível para garantir a competitividade da agricultura portuguesa, uma vez avaliados os […]