Vacas para produção de carne são as que mais produzem metano em Portugal

Vacas para produção de carne são as que mais produzem metano em Portugal

Cerca de 43% do metano emitido em Portugal vem da agropecuária e são as vacas para consumo de carne que mais emitem.

A principal fonte de emissões de metano em Portugal é a agropecuária, com valores que ultrapassaram o metano emitido pelos resíduos depositados em aterros e lixeiras. A notícia é avançada pela TSF, que cita dados da Agência Portuguesa do Ambiente sobre as emissões deste gás de efeito de estufa. De acordo com os dados, é o gado bovino criado para consumo de carne que mais emite metano — e o valor tem vindo a aumentar nos últimos anos.

As emissões de metano das vacas criadas para consumo de carne aumentaram 48% entre 1990 e 2017, ilustram os dados. De 60,2 mil toneladas de metano emitido pelo gado bovino para produção de carne em 1990 passaram a ser 89,3 mil toneladas em 2017. Este é um valor que tem aumentado ao longo das últimas três décadas.

Por outro lado, as emissões de metano do gado bovino criado para leite, porcos, ovelhas e cabras têm diminuído ao longo dos últimos anos.

Quanto aos resíduos de lixeiras e aterros, entre 2015 e 2017, deixaram de ser a maior fonte de metano: a agricultura (onde se insere a pecuária) ultrapassou-os. De acordo com os mesmos dados, o volume de metano emitido pelo sector primário passou de 175 para 183 mil toneladas por ano — o que quer dizer que 42,6% do metano emitido por Portugal vem da agricultura.

O Alentejo é a região de Portugal que mais emite metano, muito devido ao peso do sector da pecuária, seguido do Norte, Centro e Açores.

Questionado pela TSF, Francisco Ferreira da associação ambientalista Zero, afirma que estes dados reflectem um “aumento da produção intensiva”, algo que deverá “ser avaliado e corrigido”. Quanto aos resíduos, o ambientalista considera normal que o volume de metano produzido se tenha reduzido, uma vez que há cada vez menos matéria a ser depositada em aterros, e está cada vez mais a ser melhor aproveitada.

De acordo com as contas da Zero, o metano proveniente da pecuária origina 5,2% das emissões de gases de efeito de estufa (cálculo feito com dados de 2017 que não têm em conta os incêndios) e, desses, 3,2% é produzido pelas vacas para consumo de carne. É muito menos do que os sectores dos transportes e electricidade, mas são números “significativos”.

O consumo da carne de vaca em debate, depois de o reitor da Universidade de Coimbra ter anunciado que iria eliminar o consumo de carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de 2020 por razões ambientais. Na sequência dessa notícia, várias associações se insurgiram contra a decisão: a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) disse que a decisão era “infundada”; já a Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP) afirmou ser “incompreensível”.

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Comente este artigo
Anterior El polaco Wojciechowski recibe el apoyo de los eurodiputados como comisario de Agricultura… pese a no convencer
Próximo Arrendamento de parcelas rústicas da EDIA

Artigos relacionados

Cotações ES

Más demanda que oferta en el mercado del porcino de capa blanca


La demanda en porcino se muestra cada vez más activa con la esperada recuperación de la demanda de carne de cerdo para barbacoas ante el inicio de la desescalada, […]

Últimas

Cara y cruz por el Covid-19: La agricultura recupera su importancia pero el cierre de Horeca hunde demasiados sectores

La crisis que vive España por la pandemia de la Covid-19 está discerniendo lo más importante y lo accesorio y entre lo primero están la agricultura, […]

Notícias apoios

MAI e Agricultura são os únicos ministérios com cortes orçamentais

[Fonte: Sol]
Entre os 16 ministérios do governo apenas duas tutelas vão sofrer um corte nas verbas disponíveis para 2019: o Ministério da Administração Interna (MAI) e o Ministério da Agricultura, […]