A utilização de energia solar na conservação de alimentos por desidratação – Gonçalo Costa Martins

A utilização de energia solar na conservação de alimentos por desidratação – Gonçalo Costa Martins

Desde sempre o Homem utiliza a desidratação para conservar os seus alimentos.

Hoje em dia, nos Países desenvolvidos, continuamos a desidratar os mais variados produtos: ervas aromáticas e medicinais, fruta, legumes, cogumelos ou goji, algas e todos os frutos secos. A desidratação é a base de múltiplos processos na indústria farmacêutica, alimentar ou cosmética.

[Nos países em desenvolvimento, devida à inexistente ou reduzida rede de frio, a secagem é ainda o método primordial de conservação dos alimentos, principalmente peixe e cereais, poupando-os às perdas pós-colheita por deterioração ou contaminação.]

Uma secagem de qualidade exige equilíbrio entre o calor fornecido e a humidade relativa do ar no interior da câmara de secagem. Só assim se preservam as características organoléticas e nutritivas do material vegetal: estabilizando a atividade microbiológica e as reações químicas e enzimáticas.

A secagem convencional de carácter intensivo (industrial) tem como principio o aquecimento do ar que provoca a evaporação e o arrastamento da água – ou seja a desidratação dos produtos. Este processo é alimentado por enormes quantidades de energia elétrica ou fóssil não renovável.

Quando pensamos na energia solar como uma alternativa às fontes convencionais, pensamos logo na sua intermitência e baixa densidade – as noites e os dias nebulados. Estes factores tornariam difícil a obtenção dum sistema de secagem fiável, ou seja, capaz de operar a temperaturas razoavelmente constantes. Este sistema permite nestas alturas, minimizar estes inconvenientes, recorrendo a uma energia auxiliar que assegura a continuidade da secagem num ambiente controlado.

Durante o dia e sempre que as condições atmosféricas são favoráveis, a secagem realiza-se por convecção do ar aquecido pelo Sol e armazenado nos coletores; durante a noite e em dias de chuva, são automaticamente acionados os equipamentos auxiliares com recurso à energia elétrica – o desumidificador e o aquecedor. Estes auxiliares promovem a desidratação por duas formas – mecânica e por troca de ar com diferencial térmico que, em conjunto com a circulação de ar quente, constituem as três formas de secagem deste sistema.

Para automatizar a escolha entre estas formas de secagem e assim tirar partido, a todo o momento, da forma mais eficiente (mais económica e mais rápida) foi desenvolvido um algoritmo e um controlador que o aplica. É este controlador que é o cérebro do sistema e permite o funcionamento ininterrupto do desidratador.

É também este controlador que regista os parâmetros de secagem para posterior análise e tratamento estatístico, traça curvas de secagem e, assim, deixa ao utilizador margem para apurar a secagem, em função das suas necessidades ou especificidade do produto final que pretende obter.  Como equipamento IoT (Internet of Things), possibilita a monitorização e controlo da secagem, em qualquer parte do mundo e a qualquer hora.

Nos últimos anos, temos vindo a assistir à entrada no mercado de sistemas de desidratação inovadores que, com a introdução de novas tecnologias bem como o aperfeiçoamento de técnica existentes, conseguem contornar os elevadíssimos custos energéticos e os danos ambientais próprios dos sistemas intensivos, sem no entanto beliscarem a qualidade do produto final seco.

Um desses sistemas é a BLACKBLOCK®, uma solução de desidratação, inteiramente portuguesa e vencedora de prémios inovação. Este sistema de secagem recorre ao Sol como principal fonte de energia térmica, o que em si não é uma novidade – existiam já outros sistemas de secagem natural ou forçada que o faziam. O que o BLACKBLOCK® traz de novo é a fiabilidade e a acessibilidade através da internet. Este sistema é constituído por uma câmara de secagem isotérmica coberta por painéis térmicos. É nesta ‘caixa’ formada por estes dois elementos que é aquecido o ar, através da captação da energia radiante do Sol e sua transformação em energia térmica. Armazenado neste espaço, o ar quente fica disponível para entrar na câmara de secagem por meio de ventiladores. Construído inicialmente para climas mediterrânicos como o nosso, foi desenhado para operar no exterior, no entanto foi posteriormente adaptado para operar no interior de edifícios, nomeadamente em climas mais frios do norte da Europa. É pois possível colocá-lo no interior de instalações deslocando os painéis para o exterior e conduzido o ar quente por meio de tubagens para o interior. É também possível optar por uma utilização mista, com a movimentação do equipamento para o exterior durante o dia, recolhendo-o à noite. É esta  solução ousada que está em desenvolvimento para a Islândia, no âmbito de um projeto Horizonte 2020, lançando assim o português BLACKBLOCK® para novos desafios!

 

Gonçalo Costa Martins

CEO da Blackblock

Receba este artigo na newsletter do Agroportal

 

Comente este artigo
Anterior Ministério da Agricultura antecipa até 1.000 M€ da PAC para apoiar efeitos da seca
Próximo Passos Coelho realça papel da agricultura para acrescentar valor às exportações

Artigos relacionados

Últimas

Ministro da Agricultura aconselha Cristas a tomar chá de tília, “bom para os nervos”

[Fonte: Dinheiro Vivo – empresas]
O ministro da Agricultura aconselhou hoje, em Santarém, a sua antecessora, Assunção Cristas, a tomar chá de tília, “que é bom para os nervos”, lamentando que esta o tenha “insultado” ao chamar-lhe “incompetente e ignorante”.
Luís Capoulas Santos, […]

Últimas

Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 3 a 9 Abril 2017

[Fonte: Agricultura e Mar]
Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
As cotações médias nacionais dos novilhos e novilhas de 12-18 meses, de raça Turina e cruzado de Charolês, pautaram-se pela manutenção em relação à semana anterior.
No Entre Douro e Minho a oferta e a procura de bovinos foram médias e equilibradas. […]

Últimas

Estação suinícola do Lis falha prazos para fundos comunitários

[Fonte: ECO]
O Governo anulou o contrato de financiamento do projeto de construção da Estação de Tratamento de Efluentes Suinícolas (ETES), depois de não ter sido adjudicado dentro do prazo, garantindo assim os fundos comunitários para outro projeto.

“Perante o risco de perda de apoios comunitários pelo Estado português, […]