Opinião: Um cogumelo biológico chinês

Opinião: Um cogumelo biológico chinês

[Fonte: Publico]

O Governo de Portugal lançou recentemente uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica. Como é próprio de um Estado socialista, temos uma vez mais o Governo a ditar o que devem os privados fazer e que estratégias devem seguir. Afinal, os empresários não sabem bem o que fazer com o seu dinheiro e o Estado sente a necessidade de os instruir.

Fatores como a vida do solo, a qualidade dos alimentos e o preço final dos bens (questão essencial no que respeita à alimentação das populações mais carenciadas) em nada beneficiam com uma agricultura orgânica. Naturalmente que, tendo esta um espaço crescente junto do consumidor — eu mesmo fui agricultor biológico —, deve ter o seu espaço na produção, mas para isso a União Europeia já a inunda de dinheiros públicos. Se o preço final dos produtos é, também ele, superior ao convencional, para quê meter ainda mais dinheiro nacional neste cesto?

Naturalmente, nada tenho contra uma agricultura moderna e biológica. Mas o que significam 70% de “área biológica” serem pastagens? Ou ainda 0,6% e 1,5% serem, respetivamente, de horticultura e fruticultura? Eu atiro uma pedra ao charco: a esmagadora maioria destes agricultores vê neste tipo de agricultura uma forma de receber mais um subsídio tão importante para a rentabilidade das suas explorações. Deve, pois, concluir-se que a verdadeira produção de alimentos biológicos ainda não acontece em Portugal.

Como é sabido, as importações aumentaram mais de 730% entre 2014 e 2016, com a maioria dos produtos a serem comprados à China. Quando o Governo se propõe colocar uma “percentagem de produtos biológicos no novo regime de frutas e leite nas escolas, prevendo-se igualmente fomentar a incorporação destes produtos nas ementas dos refeitórios públicos e incentivar a criação de ementas biológicas nos refeitórios”, pretende assim colocar um bonito cogumelo chinês no prato dos alunos portugueses? Não seria mais sustentável promover antes e só a agricultura nacional? Por exemplo, em escolas alentejanas, a carne consumida pelos alunos ser do Alentejo? Ou numa escola açoriana o leite provir de uma cooperativa dos Açores?

Imaginação não falta à equipa do Terreiro do Paço, mas a verdadeira forma de Portugal ter uma agricultura capaz de gerar riqueza é, antes de mais, mediante a incorporação de tecnologia. Se o Governo vai promover o “Dia Nacional da Agricultura Biológica”, para quando o “Dia da Agricultura de Conservação”, ou o “Dia da Agricultura de Precisão”? A agricultura biológica que este novo documento promove de sustentável tem ainda muito pouco. Os produtos viajam distâncias inimagináveis até chegarem a Portugal. Esta realidade pouco ou nada tem que ver com o espírito de uma agricultura verdadeiramente biológica. Primeiro teremos de incentivar o consumo nacional, e só depois olhar para estes nichos.

Como se verifica, esta estratégia nacional pouco tem de sustentável, mas apenas de ideológico. Capoulas Santos tem conhecimento de que, no sector agrícola, a esmagadora maioria das políticas públicas vem de Bruxelas. Assim, este tipo de documento serve para… o PAN ver. O modelo agrícola que hoje devemos incentivar é o da produção nacional sustentável, e não este da importação desmedida de produto estrangeiro com um símbolo de sustentabilidade completamente descabido.

Lopo de Carvalho

Engenheiro Agrónomo

Comente este artigo
Anterior Livestock sector representatives talk post-Brexit trade, welfare standards and support payments
Próximo España incrementará las indemnizaciones para el vaciado sanitario de una explotación

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Onde é que Portugal deve investir os fundos europeus? Bruxelas fez um guia

[Fonte: ECO]
As negociações para concluir o próximo quadro comunitário de apoio, que vai vigor de 2021 a 2027, já deram o tiro de partida. À cabeça, a sugestão da Comissão para Portugal é de um corte de 7% na Política de Coesão. […]

Últimas

“Bagas de Portugal” dinamiza seminário sobre pequenos frutos

[Fonte: Voz do Campo]
A Cooperativa Bagas de Portugal dinamiza no próximo dia 02 de Março o seminário “Drosophila Suzukii (Matsumura) – influência, rentabilidade, controlo e meios de luta nas explorações de pequenos frutos”, a decorrer no auditório do Vougapark, em Sever do Vouga. […]

Nacional

5 dias, 5 anúncios de investimento. A semana frenética de António Costa e Pedro Marques

[Fonte: ECO]
De Marco de Canaveses ao Alentejo, António Costa e Pedro Marques anunciaram esta semana investimentos, públicos e privados, de 24 mil milhões de euros.
Em apenas cinco dias, cerca de 24 mil milhões de euros. Foi esse o valor total dos investimentos anunciados, […]