UE/Presidência: Ministra apresenta na 2.ª feira nova proposta para avançar a PAC

UE/Presidência: Ministra apresenta na 2.ª feira nova proposta para avançar a PAC

A presidência portuguesa da União Europeia (UE) vai apresentar na segunda-feira uma proposta relativa à arquitetura verde para aproximar as posições do Conselho e do Parlamento Europeu (PE) neste ponto da reforma da Política Agrícola Comum (PAC).

Na segunda-feira, a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, apresenta ao Conselho de Ministros da UE uma proposta relativa à arquitetura verde da nova PAC (2021-2027), disse à Lusa fonte da presidência portuguesa.

A proposta será discutida no Conselho, por videoconferência, na segunda-feira, e depois na sexta, num trílogo negocial com o PE e a Comissão, a que a ministra também preside, dedicado aos planos estratégicos

Maria do Céu Antunes pretende, segundo a mesma fonte uma aproximação do Conselho ao posicionamento do PE.

Duas das questões principais são a fixação de uma dotação mínima para os regimes ecológicos – de 20% (o Conselho) ou 30% (o Parlamento) dos envelopes nacionais do primeiro pilar destinados a pagamentos diretos aos agricultores – e as condições de flexibilidade para esses regimes ecológicos.

A nova arquitetura da PAC terá três vertentes: a nova condicionalidade, regimes ecológicos para o clima e o ambiente e medidas agroambientais e climáticas.

O âmago da reforma da PAC, conforme a proposta da Comissão Europeia, diz respeito ao modelo de execução, dando aos Estados-membros um papel muito mais autónomo, através dos planos estratégicos nacionais.

A partir de 2023, caberá à UE definir os parâmetros essenciais (objetivos da PAC, requisitos de base, principais tipos de intervenção do primeiro e do segundo pilares), ao passo que os Estados-membros deverão conceber planos estratégicos, tendo em vista alcançar as metas e os objetivos específicos e quantificados decididos em comum.

Para que a PAC 2021-2027 possa entrar em pleno vigor em 01 de janeiro de 2023 (até lá é regida por regras transitórias) o PE e o Conselho têm que chegar a acordo durante a presidência portuguesa, que termina em 30 de junho.

Comente este artigo
Anterior ENRD lança ficha sobre como valorizar as práticas de gestão agrícola e florestal sustentáveis através da PAC
Próximo Live: A Floresta: que reforma?

Artigos relacionados

Dossiers

Incêndios: Prevenção e planeamento serão as prioridades do Governo

O ministro da Administração Interna elogiou hoje a articulação dos vários meios envolvidos no combate ao incêndio de Oliveira de Frades, que foi dominado esta manhã, e anunciou que a […]

Últimas

O sector das frutas, legumes e flores não para!

A Páscoa passou mas a crise continua e por isso a cadeia agroalimentar não pára! Com o seu apoio e apostando na produção nacional conseguiremos […]

Comunicados

CANCELADO – Comissão Organizadora da 37ª Ovibeja está a delinear o programa do evento

A Comissão Organizadora da 37ª Ovibeja está a delinear o programa do evento, que se realiza de 29 de Abril a 3 de Maio, de modo a traduzir […]