UE avisa que subsídios aos agricultores britânicos acabam em 2020

UE avisa que subsídios aos agricultores britânicos acabam em 2020

[Fonte: Dinheiro Vivo] Os fundos comunitários vão acabar em 2020 para os agricultores britânicos devido ao ‘Brexit’. O comissário europeu da Agricultura, Phil Hogan, avisou hoje que os fundos comunitários vão acabar em 2020 para os agricultores britânicos devido ao ‘Brexit’ e que caberá a Londres apoiá-los a partir dessa altura. O comissário irlandês disse numa entrevista à agência noticiosa AFP que não haverá extensão dos pagamentos aos agricultores que foram acordados no âmbito da Política Agrícola Comum (PAC). “Tenho estado a dizer aos agricultores britânicos que os pagamentos vão ser feitos até 2020”, declarou Hogan em Bruxelas. “Depois passa a ser uma questão do governo britânico, partindo do princípio que as negociações vão ser concluídas, que eles consigam financiar todas as medidas agrícolas que quiserem com os seus próprios recursos”, afirmou. Os subsídios comunitários são obrigatórios, apesar de o calendário da primeira-ministra britânica, Theresa May, prever a saída do país da União Europeia no início de 2019, na sequência da vitória dos partidários do ‘Brexit’ no referendo de junho deste ano. Responsáveis por confederações agrícolas e da indústria agroalimentar britânica reuniram-se esta semana com membros do governo britânico para expressaram as suas preocupações quanto à forma como o setor, altamente subsidiado, vai lidar com o ‘Brexit’. “Claro que os agricultores estão preocupados com isto, mas é uma questão para o governo deles. Eu dei-lhes garantias até 2020 e compete ao governo britânico dar-lhes garantias depois dessa altura”, acrescentou Hogan. O ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, prometeu em agosto igualar o nível de financiamento comunitário para agricultores, universidades e infraestruturas após o ‘Brexit’ e até 2020, mas não explicou o que vai acontecer depois. Hogan alertou ainda para a necessidade de dar atenção à questão dos trabalhadores agrícolas sazonais que acorrem à Grã-Bretanha e cujos números sofreram uma forte queda. “A primeira-ministra [Theresa May] deixou claro que quer ter uma forte posição política sobre os assuntos de imigração”, assinalou. “Naturalmente, esperamos que esteja igualmente consciente de que muitos agricultores e agroindústrias dependem de trabalhadores sazonais que são essenciais para a viabilidade seus negócios”, acrescentou.

Comente este artigo
Anterior La PAC actual no puede frenar la volatilidad de los precios
Próximo (In)certezas para 2017 - Editorial de Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Artigos relacionados

Últimas

Regantes pedem desagravamento dos custos da eletricidade no regadio

[Fonte: Vida Rural]

A Federação Nacional de Regantes de Portugal (FENAREG) esteve esta quinta-feira (4 de abril) reunida com o Secretário de Estado da Energia, […]

Nacional

Associações criticam abate de árvores em Aveiro

[Fonte: Público]

A Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro (ADERAV) e a Associação BioLiving mostram-se preocupadas com o que consideram ser uma “constante delapidação do património arbóreo da cidade” […]

Nacional

Iniav e Asfertglobal realizam II Jornadas Técnicas Fruticultura – 19 de junho – Alcobaça

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

A 19 de Junho, têm lugar em Alcobaça as “II Jornadas Técnicas Fruticultura Iniav (Alcobaça)/Asfertglobal”. […]