Turismo, têxtil, vinho: o coronavírus é mau para quase todos os negócios (talvez a carne seja excepção)

Turismo, têxtil, vinho: o coronavírus é mau para quase todos os negócios (talvez a carne seja excepção)

A situação já está, entretanto, “estável”, embora só deva estar totalmente normalizada “daqui a duas a três semanas”, mas Marco Henriques nota uma diminuição nas exportações. Uma parte é normal dado que há sempre um pico de exportações no final do ano devido ao Ano Novo chinês — daí que, no início do ano, se verifique uma diminuição do consumo. Este efeito foi, porém, “agudizado” pelo surto do novo coronavírus — e os consequentes problemas de operação nos portos. Ainda assim, a Maporal “não foi muito afetada”. “Já tínhamos feito os contratos no final do ano.”

Para perceber o impacto que este vírus está a ter nas transportadoras aéreas podemos ficar já pela TAP. A companhia portuguesa reduziu a oferta em 4% entre março e o início de abril, o que representa menos 1.000 voos, devido ao “forte abrandamento da procura” em resposta ao surto de coronavírus.

O volume de reservas para março e abril mostra desde as últimas duas semanas quebras significativas relativamente ao ano passado, indicou a TAP, acrescentando que os cancelamentos incidem em especial nos voos para cidades em países mais afetados como a Itália, mas refletem também a redução da oferta em outros mercados europeus que registam maiores quebras como Espanha e França.

“A quebra na procura implica naturalmente um decréscimo da receita, pelo que, para proteger a integridade da sua tesouraria, a TAP tomou já algumas decisões fundamentais, como a suspensão de todos os investimentos não críticos, a revisão e corte de despesas não essenciais para o negócio ou a suspensão de contratações e novas admissões, para além da adequação da oferta à procura”.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) estima que o surto do novo coronavírus leve a uma redução de 13% na procura das companhias aéreas, na região da Ásia-Pacífico — as previsões, em dezembro de 2019, eram de um crescimento no setor de 4,8% naquela região.

Na mesma análise preliminar, divulgada a 20 de fevereiro, a IATA perspetiva que as receitas das transportadoras aéreas com passageiros em todo o mundo caiam 2,9 mil milhões de dólares (mais de 2,6 mil milhões de euros), o equivalente a uma redução de 4,7%. Só na Ásia Pacífico, o impacto pode chegar aos 27,8 mil milhões de dólares (12,8 mil milhões dos quais em voos domésticos na China).

 

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Sanidade animal? Está tudo bem por aqui!
Próximo Top European science council demands ‘radical’ GMO regulatory reform

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de emprego – Consultor de Projetos – Engenheiro Agrónomo – Lisboa

A TerraProjectos está a reforçar sua Área de Competitividade com um Consultor de Projetos (M/F) para elaboração e acompanhamento de projetos no sector agroalimentar. […]

Últimas

Cotações – Suínos – Informação Semanal – 9 a 15 Novembro 2020

Na semana em análise as cotações médias nacionais do porco classe E, do porco classe S (-4 cêntimos / kg) e ainda dos leitões de <12 kg (-6 cêntimos / kg) sofreram um ligeiro decréscimo em [...]

Suplementos

Suplemento Agrovida de Janeiro Vida Económica – Editorial Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Portugal viveu um 2017 “estranho e contraditório”. É o Presidente da República quem o diz e obriga-nos a recapitular as “reconfortantes alegrias” que vivemos, […]