Tudo o que precisa de saber sobre o vírus ToBRFV

Tudo o que precisa de saber sobre o vírus ToBRFV

O vírus do tomate (ToBRFV) foi detetado pela primeira vez em Israel (2014) e na Jordânia (2015). É transmitida por contacto, portanto, é necessário tomar as devidas precauções.

Devido à importância das culturas sob coberto para a Andaluzia, representa uma ameaça fitossanitária para o tomate e o pimento, principalmente nas explorações de Almería e Granada, (Espanha).

Uma análise de risco de pragas realizada pela Itália mostrou que o organismo especificado e seus efeitos nocivos poderiam representar um grande problema fitossanitário para a União, em particular para a produção de tomate (Solanum lycopersicum L.) e pimento (Capsicum annuum).

O perigo desse patógeno é que os sintomas são muito semelhantes aos do PepMV (vírus do mosaico do pepino) e podem passar despercebidos. É um vírus muito persistente e facilmente transmissível e para o qual ainda não há resistência.

Plantas hospedeiras

Os principais hospedeiros são tomate (Solanum lycopersicum) e pimento (Capsicum sp.). Outros convidados são Nicotiana benthamianaN. glutinosa, N. sylvestris, N. tabacum, Chenopodiastrum murale e Solanum nigrum.

Danos

Na cultura do tomate, os sintomas variam de acordo com as variedades. Nas folhas, manifestam-se por clorose, mosaico e manchas com estreitamento das folhas. Ocasionalmente, manchas necróticas aparecem nos pedúnculos, cálices e pecíolos.

Nas frutas, são observadas manchas amarelas ou castanhas, com sintomas ásperos que tornam as frutas não comercializáveis. A fruta pode ter deformações e amadurecimento irregular.

No pimento pode surgir deformação, amarelecimento e mosaico nas folhas. Os frutos deformam-se com áreas amarelas ou castanhas ou riscas verdes.

Transmissão

ToBRFV é transmitido por contacto (ferramentas, mãos, roupas contaminadas, contacto direto de planta a planta) e material de propagação (enxertos, estacas).

Há suspeitas sobre a possível transmissão do ToBRFV por sementes. O Tobamovírus pode permanecer infecioso em sementes, detritos de plantas e solo contaminado por meses. Eles são encontrados tanto na superfície externa quanto no endosperma, o que poderia explicar por que os tratamentos convencionais de desinfeção de sementes não são completamente eficazes no seu controle.

Há também indicações de que o ToBRFV pode ser transmitido por abelhas usadas para polinização.

Medidas de controlo

Para evitar a infeção das plantações e sua transmissão, devem ser implementadas as seguintes medidas de controle com base principalmente na profilaxia e higiene:

  • As sementes e mudas devem ser inspecionadas e a sua saúde garantida, para que sejam provenientes de operadores devidamente registados e possuam o passaporte fitossanitário correspondente.
  • Remover o máximo possível os detritos de plantas de culturas anteriores, incluindo raízes.
  • Trabalhar de maneira ordenada, por linhas, para acompanhar sempre a direção do vírus, caso seja detetado. Com caráter geral, para evitar a transmissão por contacto deste vírus e de outros patógenos, recomenda-se a desinfeção das mãos e ferramentas de trabalho antes do início de cada operação e, principalmente, com ferramentas que possam levar eventuais operadores que realizam as suas atividades em diferentes estufas. É aconselhável não trocar pessoal ou ferramentas entre explorações.
  • Ter em atenção a rotação de culturas.
  • Proceder à destruição de plantas suspeitas e adjacentes, para que os seus detritos não constituam novas fontes de infeção.
  • Eliminação de ervas daninhas que podem servir de reservatório para o organismo prejudicial.
  • Substituir ou desinfetar os plásticos, tutores, anéis, chaves e fios, caixas etc.
  • Desinfetar os tubos e a estrutura de toda a estufa.
  • Desinfetar por solarização e, no caso de uso de substrato, trocar os sacos, que devem ser gerenciados adequadamente, para que não constituam uma fonte de infeção.
  • Se forem usadas colónias de abelhas na presença de ToBRFV, devem ser tomadas medidas apropriadas para impedir que elas contribuam para sua dispersão.
  • Se for usado material de embalagem reciclável, é importante que seja desinfetado adequadamente antes de ser usado.

Conclusões

A presença de ToBRFV causa alta mortalidade de plantas e os seus sintomas implicam que os frutos não possam ser comercializáveis, o que poderia implicar perdas económicas significativas para os produtores afetados, como é o caso de outras viroses. Nesse sentido, e para evitar os danos que o ToBRFV pode causar, a implementação de medidas detalhadas de controle é de vital importância, com ênfase especial numa rigorosa prevenção.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior EDP acusada de cortar ilegalmente mais de 100 sobreiros na serra do Caldeirão
Próximo BIOS prevê que no futuro as empresas sejam cada vez mais autossustentáveis

Artigos relacionados

Sugeridas

CNA acusa Governo de esconder “grave crise” na agricultura

A Confederação Nacional da Agricultura acusou hoje o Governo de tentar esconder a “grave crise” que os pequenos e médios agricultores atravessam, que poderá agravar-se face à ausência de uma […]

Nacional

Azeite – União Europeia adota normas do Conselho Oleícola Internacional

[Fonte: CAP] A Comissão Europeia atualizou o Regulamento comunitário de 1991 que definia as características físico-químicas e organoléticas dos azeites e dos óleos de bagaço de azeitona e os métodos para as determinar. […]

Nacional

Sapec Agro Business torna-se Rovensa e foca-se na “agricultura equilibrada”

A Sapec Agro Business desaparece para dar lugar ao nascimento da Rovensa, que já é uma realidade. O lançamento do grupo ocorreu na segunda semana de Setembro contando com mais de 400 participantes de 20 países nos 5 continentes. […]