Tristezas não pagam dívidas… e carinho também não – João Vacas

Tristezas não pagam dívidas… e carinho também não – João Vacas

Na sua visita à Agroglobal do passado dia 8 de Setembro, o Primeiro-Ministro reconheceu a «dívida de gratidão» do país para com os seus agricultores pelo modo como o sector se manteve operacional durante todo o período da pandemia. Na altura, António Costa acrescentou que «é uma palavra de estímulo e de carinho que devemos dar». Parece pouco pagamento para tanta dívida.

Por muito simpática que possa ser, «uma palavra de estímulo e de carinho» não é propriamente aquilo de que a fileira agroalimentar mais precisa, a menos que a ela se sigam acções concretas. Os agricultores não suspiram por ternura governamental, antes esperam – cada vez mais e cada vez com mais razão – que o governo os respeite e que, no seu seio, haja conhecimento sério e a sério sobre a sua actividade e que estes se traduzam em estímulos, talvez menos afectuosos, mas significativamente mais palpáveis que a tal palavra.

A omnipresença arrogante de uma certa visão da ecologia que insiste em ver a agricultura e a pecuária como agressores – e que transformou “o ambiente” numa espécie de religião secular – desmente o carinho e o estímulo proclamados. Por maiores que sejam os exercícios discursivos, aguardam-se demonstrações práticas, que passem menos por presenças sorridentes e em loquacidade de ocasião, que sejam garante de coerência na abordagem governamental às necessidades e especificidades da agricultura e da pecuária portuguesas.

O progressivo esvaziamento de competências do Ministério da Agricultura, que acelerou ao longo do mandato do XXII governo constitucional, e que tem sido denunciado por diversas entidades e personalidades ligadas à fileira agroalimentar, bem como a sua subalternização na respectiva orgânica, constituem sinais preocupantes de que a dívida de gratidão para com os agricultores continuará a ser saldada de um modo, no mínimo, intermitente.

Diversos artigos no Agroportal, como o último do senhor Professor Manuel Chaveiro Soares, têm chamado a atenção para as desadequações da nova PAC à realidade nacional e para a necessidade de não se fazer tábua rasa desta em nome do cumprimento de macro-objectivos europeus que parecem ter em ambição o que lhes falta em atenção ao detalhe. Vale a pena reler as suas análises e advertências e valeria, sobretudo, muito a pena que também o governo demonstrasse compreendê-las e agisse em conformidade ao nível europeu.

É certo que nunca como hoje a inovação tecnológica e a investigação foram colocados ao serviço da produção alimentar, assim como as preocupações ambientais passaram a fazer parte do dia-a-dia de quem gere empresas nestes sectores. Mais do que uma mera predisposição para incorporar o que se faz de mais avançado na operação prática das explorações e para, através dela, acautelar a sobrevivência e renovação dos ecossistemas, a tecnologia, a investigação e a protecção ambiental são hoje elementos essenciais a uma produção que combina a intensividade com a sustentabilidade.

Mas essa combinação, que se deseja o mais harmoniosa possível, não dispensa os produtores. Não existirá sem eles. A produção alimentar mostrou não apenas que era capaz de resistir a uma pandemia, mas que era também apta a continuar a colocar no mercado os alimentos mais seguros e saudáveis do mundo, cumprindo as exigências normativas que lhe foram sendo aplicáveis.

Mais do que carinho retórico, o estímulo da consequência parece ser um bem escasso. Urgiria que o governo se aprovisionasse dele em maior quantidade.

João Vacas

Consultor da Abreu Advogados


O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Togas num campo de milho – João Vacas

Comente este artigo
Anterior Associação ambientalista Zero alerta para poluição gerada por fertilizantes agrícolas
Próximo Poca actividad comercial en el mercado del aceite de oliva

Artigos relacionados

Nacional

Quotas leiteiras desapareceram há dois anos. Países querem-nas de volta

A 31 de março de 2015 acabaram as quotas leiteiras. Dois anos depois, e após uma queda vertiginosa nos preços, já […]

Últimas

Incêndios: Polícia Judiciária detém ex-bombeiro suspeito de atear fogo em Condeixa-a-Nova

O Núcleo de Proteção Ambiental da GNR de Coimbra colaborou na investigação que conduziu à detenção do homem, acusado de ter usado “chama direta” […]

Notícias apoios

Agricultores revoltados com falta de apoio aos prejuízos do temporal de maio

O Ministério da Agricultura anunciou a criação de um apoio financeiro para os agricultores da região Centro. […]