Timor-Leste/Cheias: Voos do PAM identificam milhares de hectares de culturas destruídos

Timor-Leste/Cheias: Voos do PAM identificam milhares de hectares de culturas destruídos

Cerca de 1.600 hectares de arroz e 295 hectares de culturas de milho em seis municípios de Timor-Leste foram danificados pelo recente ciclone Seroja, segundo dados recolhidos em voos de avaliação do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM).

Entre 16 e 21 de abril, o PAM realizou, com o apoio da Mission Aviation Fellowship (MAF), uma série de voos de avaliação, em nome do Governo timorense, para determinar a extensão dos danos agrícolas e infraestruturais causados pelo ciclone Seroja.

O ciclone atingiu o país entre os dias 29 de março e 04 de abril, causando inundações e deslizamentos de terras, com particular expressão na capital Díli e nas zonas baixas circundantes, e provocou pelo menos 36 mortos e uma dezena de desaparecidos.

Os três voos de avaliação efetuados pelo PAM abrangeram Viqueque, Manatuto, Baucau, Manufahi, Ainaro, Covalima, Oecussi, Bobonaro e outros distritos, entre 16 e 21 de abril.

Segundo os dados preliminares desta avaliação, avançados pelo Ministério da Agricultura e Pescas de Timor-Leste, cerca de 1.600 hectares de arroz e 295 hectares de culturas de milho ficaram danificados, só em seis municípios.

“Após as inundações de 4 de abril, muitos esquemas de irrigação foram danificados, o que é muito devastador, uma vez que a maioria da nossa população é agricultora de subsistência. Estamos gratos ao PAM por intervir e nos apoiar na avaliação destes danos”, disse o ministro da Agricultura e Pescas, Pedro Reis.

A partir da próxima semana, o PAM, juntamente com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), conduzirá uma missão de avaliação das culturas e da segurança alimentar para determinar os impactos globais das cheias na situação da segurança alimentar.

“Os voos fornecidos pela Mission Aviation Fellowship permitiram ao PAM e ao Governo avaliar os danos em dias, em vez de semanas, se o tivéssemos feito à maneira antiga”, disse o diretor do PAM para Timor-Leste, Dageng Liu, que se mostrou satisfeito com o contributo desta parceria para “a recuperação do país das inundações devastadoras”.

Nestas avaliações aéreas têm participado representantes superiores do secretário de Estado da Proteção Civil, o Ministério da Agricultura e Pescas, o Ministério do Planeamento e Território, o Ministério das Obras Públicas e a ONU.

Segundo o secretário de Estado da Proteção Civil, Joaquim Martins, o apoio logístico do PAM permitiu a distribuição de materiais de socorro que salvaram vidas humanas às famílias afetadas pelas cheias, no prazo de 48 horas.

“Estas avaliações aéreas são fundamentais para nos ajudar a compreender a verdadeira extensão dos danos não só em Díli, mas também noutros distritos. Com a informação gerada, podemos então determinar as nossas necessidades, estabelecer prioridades, e conceber intervenções a avançar”, disse Joaquim Martins.

Comente este artigo
Anterior “Portugal tem impactado a forma como trabalhamos em todo o mundo”, sublinha presidente-executivo do grupo do RAC
Próximo Incêndios: PSD diz que auditoria do TdC “desmascara propaganda do PS”

Artigos relacionados

Nacional

Portugal vai mandar porcos para a China. Pode render 100 milhões

Os produtores portugueses começam esta quarta-feira a exportar carne de porco para a China, através de três matadouros, um negócio que deverá […]

Últimas

Vinha e vinho no centro da Feira Nacional de Agricultura 2019

“Vinha e Vinho” constitui o tema central da 56.ª Feira Nacional de Agricultura/66.ª Feira do Ribatejo, que decorre de 8 a 16 de Junho nas instalações do Centro Nacional de Exposições (Cnema), […]

Nacional

Produtores de morango de São Pedro Velho ‘sem mão a medir’

A aldeia do morango em Mirandela temia o pior devido à pandemia da covid-19, mas afinal os produtores não têm mãos a medir para tantas […]