Tendências para 2018 na distribuição de frutas e legumes apresentadas no arranque da Fruit Logistica, em Berlim

Tendências para 2018 na distribuição de frutas e legumes apresentadas no arranque da Fruit Logistica, em Berlim

A principal feira de hortifruticultura do mundo – a Fruit Logistica – acaba de publicar o seu relatório de tendências para 2018. O documento elaborado pela consultora Oliver Wyman incide sobre as três áreas que irão alterar o fornecimento dos produtos frescos nos próximos dez anos: as novas tecnologias, o crescimento do comércio online e o consumo crescente fora de casa.

O relatório ‘Disrupção na distribuição de fruta e legumes’, elaborado pela Oliver Wyman e apresentado no arranque da Fruit Logistica, que decorre até dia 9 de fevereiro, em Berlim, analisa o comércio global de hortifruticultura com conhecimentos que podem ajudar os produtores de frutas e legumes a satisfazer as exigências dos seus clientes no futuro.

O relatório descreve como os mercados, o consumidor, as empresas e as tecnologias irão alterar a aquisição, o transporte e as vendas de produtos frescos. Os resultados assentam na ideia de um mercado cada vez mais globalizado e interligado, com base no crescimento da população, no aumento da procura em determinadas partes do mundo, e num maior investimento em produtos alimentares.

Em ‘Disrupção na distribuição de fruta e legumes’, a Oliver Wyman prevê novos desafios e oportunidades para o comércio da hortifruticultura:

  • A criação de redes comerciais mais rápidas e mais flexíveis, que será caracterizada por uma maior transparência, sistemas de previsão mais refinados e, em muitos casos, uma colaboração mais estreita entre os parceiros na cadeia de fornecimento;
  • O crescimento contínuo das vendas online de fruta e legumes frescos a nível global, impulsionado pelos custos de envio reduzidos, pelas melhores tecnologias de venda e pelo interesse crescente dos clientes;
  • Maior complexidade e mais expectativas por parte do cliente na área do consumo fora de casa, com o consumidor a exigir cada vez mais qualidade, conforto e variedade nos pontos de venda.

O mercado das frutas e dos legumes frescos está cada vez mais globalizado e interligado”, explica Rainer Münch, principal autor do relatório da Oliver Wyman. “Isto, por sua vez, altera a forma como os produtos frescos chegam ao seu local de destino a partir do seu local de origem”.

Rainer Münch explica ainda que a cadeia de fornecimento das frutas e dos legumes “está a ser redefinida pela criação de novos segmentos de mercado e pela evolução da procura dos consumidores”. As empresas ao longo de toda a cadeia de fornecimento, do produtor ao comércio retalhista, “estão a expandir-se e a formar parcerias”, refere o autor do relatório. “O seu desenvolvimento anda de mãos dadas com um esforço significativo para uma maior eficiência e transparência, apoiado por um progresso tecnológico aparentemente imparável”, salienta Münch.

Will Wollbold, gestor de marca global da Fruit Logistica, acrescenta: “O relatório ‘Disrupção na distribuição de fruta e legumes’ irá ajudar qualquer pessoa no setor hortofrutícola a prever questões importantes relacionadas com o comércio e a aproximar partes interessadas e decisores. Irá também ajudar a responder proactivamente a perguntas que estão diretamente relacionadas com a sua empresa”.

Introdução ao relatório aqui. Serão disponibilizados mais capítulos nos próximos meses na página web da Fruit Logistica.

 

– FRUIT LOGISTICA 2018 Media Preview –
Impression

Comente este artigo
Anterior Fungicida biológico VINTEC registado para a proteção da Vinha contra Doenças do Lenho
Próximo Pergunta MAFDR sobre invasão de abelhas espanholas

Artigos relacionados

Últimas

Coligação ambientalista apresenta queixa em Bruxelas contra o Governo português por “falhar” proteção de aves

[Fonte: Expresso]

As seis maiores organizações não-governamentais de ambiente em Portugal, juntas na Coligação C6, enviaram esta semana à […]

Últimas

Portugal regista 225 mil hectares de floresta ardida, menos 90 mil que o sistema europeu

O sistema português contabiliza 225.447 hectares de floresta ardida este ano (equivalente ao distrito de Viana do Castelo), valor inferior ao calculado pelo Sistema do Centro de Investigação Comum da Comissão Europeia, […]