Syngenta Flowers e Universidade do Algarve recebem 200 escuteiros em workshop sobre Horticultura

Syngenta Flowers e Universidade do Algarve recebem 200 escuteiros em workshop sobre Horticultura

Proporcionar aos jovens um contacto direto com as plantas e cativá-los para a prática da Horticultura e para a formação superior nesta área foi o objetivo de uma atividade organizada pela Universidade do Algarve com a participação da Syngenta Flowers, a 4 de Setembro, em Gambelas, Faro. Cerca de 200 escuteiros plantaram, podaram e enxertaram espécies ornamentais e fruteiras e levaram para casa uma planta.

A atividade teve lugar no âmbito do ACAREG – Acampamento Regional de Escuteiros da Região do Algarve, que decorreu de 3 a 8 de Setembro, em Faro, reunindo 1300 escuteiros de toda a região do Algarve.

«Como entidade empregadora no Algarve a Syngenta Flowers quer trabalhar com a Universidade do Algarve para incentivar as novas gerações a realizar formação superior na área da Agricultura, porque há carência de técnicos e engenheiros agrónomos na região. Esta iniciativa foi um primeiro passo nessa direção», explica Fátima Correia, site manager da Syngenta Flowers em Moncarapacho. Dar a conhecer à comunidade local a sua atividade de desenvolvimento e produção de estacaria ornamental foi outros dos objetivos da empresa.

Os jovens escuteiros, entre os 14 e os 17 anos, aprenderam a realizar enxertia de plantas de citrinos e também poda e enraizamento de estacas de plantas ornamentais (Lantana Camara, Scaevola e Sedum). Esta última atividade esteve sob coordenação da Eng.ª Sandra Germano. «Foi uma atividade muito gratificante mostrar aos jovens um pouco da atividade da nossa empresa e perceber que alguns deles têm interesse em seguir uma formação na área da Biologia e da Agricultura», afirma a head grower da Syngenta Flowers.

O polo da Syngenta Flowers em Moncarapacho é composto por um departamento de produção comercial de Petunia spp e Calibrachoa spp e subdepartamentos de Flowers R&D e Flowers Starter Material (Poinsettia sp, Pelargonium spp da classe SEE e várias variedades ornamentais de Bed & Balcony da classe SEE). Complementarmente, por acordo com a Bioline Agrosciences, continua a realizar-se em Moncarapacho a produção de insetos auxiliares para uso em luta biológica, nomeadamente das espécies Encarsia formosa, Eretmocerus erimicus e Nesidiocoris tenuis

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Von der Leyen divulga nomes do seu colégio, mas só revela pastas na terça-feira
Próximo Incêndios. Alcafaz, no Caramulo, é aldeia exemplo de autoproteção

Artigos relacionados

Nacional

MAI diz que Portugal é parceiro ativo na construção do Mecanismo Europeu de Proteção Civil

“Portugal já tem módulos registados na Reserva Europeia de Proteção Civil” e a possibilidade de prestação de ajuda internacional “não está […]

Cotações ES

2019, un año sorprendente en precios y en exportación de porcino


En los precios del porcino de capa blanca, una semana marcada por los días festivos, y por lo tanto con menos días de actividad en los mataderos, […]

Opinião

E-commerce alimentar e informação ao consumidor no pós-COVID-19 entre a due diligence e inovação digital – Francesco Montanari

Já perdi a conta aos estudos, artigos e comentários que li nas últimas semanas e que apontam para um crescimento do e-commerce alimentar em […]