Supremo Tribunal indiano suspende implementação da lei de reforma agrícola

Supremo Tribunal indiano suspende implementação da lei de reforma agrícola

O Supremo Tribunal da Índia suspendeu hoje temporariamente a implementação das leis de reforma agrícola e ordenou a criação de um comité independente de especialistas para negociar com os agricultores que estão a protestar contra a legislação.

A decisão do tribunal ocorreu um dia depois de ouvir petições apresentadas pelos agricultores que questionam a legislação.

Os agricultores dizem que as leis foram aprovadas sem consulta suficiente e que estavam desapontados com a forma como as negociações decorreram com os representantes do Governo.

Dezenas de milhares de agricultores que protestam contra a legislação estão a bloquear meia dúzia de grandes rodovias nos arredores de Nova Deli há mais de 45 dias.

Os agricultores dizem que não interromperão o protesto até que o Governo revogue as leis, afirmando que a legislação aprovada pelo Parlamento em setembro levará à cartelização e comercialização da agricultura, tornando os agricultores vulneráveis à ganância corporativa e devastará os seus ganhos.

O Governo insiste que as leis irão beneficiar os agricultores e permitirá que comercializem os seus produtos e aumentem a produção por meio do investimento privado.

Sharad Arvind Bobde, o mais alto responsável pela Justiça indiana, disse que o comité independente de especialistas “resolverá amigavelmente” o impasse entre os agricultores e o Governo.

Os sindicatos de agricultores rejeitaram a ideia de um comité de especialistas e reiteraram a sua exigência pela revogação total das leis.

Os dois lados não conseguiram progredir em várias rondas de negociações sobre a principal exigência dos agricultores de que as leis fossem eliminadas. O Governo descartou a retirada das leis, mas diz que pode fazer algumas emendas. As duas representações encontram-se novamente na sexta-feira.

Em 30 de dezembro, chegaram a um consenso sobre duas questões – que o Governo continuaria com o subsídio de eletricidade para irrigação das quintas e que os agricultores não seriam punidos por queimar resíduos agrícolas, uma das causas da poluição do ar.

Comente este artigo
Anterior Covid-19: CNA defende que feiras e mercados devem funcionar no confinamento
Próximo PortugalFoods lança guias informativos para promover transição digital e ambiental das empresas agroalimentares portuguesas

Artigos relacionados

Nacional

Casa Eficiente só celebrou 300 mil euros em contratos. Caixa vai rever condições do programa

O programa Casa Eficiente não está a ajudar a tornar as casas em Portugal mais eficientes do ponto de vista energético. […]

Últimas

Geada destruiu culturas em Valpaços

[Fonte:RTP notícias]
Está comprometida, a produção de vinhos e de frutas, este ano, em Valpaços. Os agricultores falam em milhares de euros de prejuízos. […]

Últimas

Seminário Zootecnia – O Impacto da Produção Animal – 30 de outubro – Vila Real

O Seminário “Impacto Ambiental da Produção Animal” pretende trazer à academia e à sociedade uma visão científica […]