Solo – o tesouro oculto por baixo dos nossos pés

Solo – o tesouro oculto por baixo dos nossos pés

O solo é a base de sustentação de toda a vida na Terra e 95% da nossa comida vem do solo. A preservação deste recurso natural, cada vez mais ameaçado, é prioritária. 33% dos solos a nível mundial estão degradados e corremos o risco de perder mais solos devido à poluição, um perigo oculto que pode parecer distante, mas que nos afeta a todos, porque põe em risco a segurança alimentar. Com uma população crescente que deve chegar a 9 mil milhões em 2050, a poluição dos solos é um problema mundial que contamina os alimentos que ingerimos, a água que bebemos e o ar que respiramos.

Sem solos saudáveis e produtivos, surge a pobreza, a fome e a necessidade de emigração, que muitas vezes gera conflitos e problemas humanitários gravíssimos. Um relatório recente da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistémicos (IPBES) estima que a degradação dos solos pode obrigar entre 50 e 700 milhões de pessoas a migrar até ao ano 2050. Com estes fluxos migratórios ficam mais pobres os países de origem, porque veem partir as suas populações, e avolumam-se os problemas e os conflitos sociais nos países de acolhimento, em geral a Europa e os EUA. É por isso um problema que nos diz respeito a todos.

Por outro lado, solos degradados perdem a capacidade de sequestrar carbono, o que contribui para o aquecimento global do Planeta.

Está nas nossas mãos mudar o paradigma dos solos de ‘degradação-abandono-migração’ para ‘recuperação-manutenção-proteção’ e os agricultores têm um papel crucial nesta missão. É fundamental a adoção de Boas Práticas Agrícolas, no contexto da chamada agricultura inteligente para mitigação das alterações climáticas. Alguns exemplos de Boas Práticas são:

  • A manutenção de cobertura vegetal no solo
  • A mobilização mínima do solo
  • O estabelecimento de rotações de culturas
  • A otimização e o manuseamento adequado dos produtos fitofarmacêuticos
  • O uso de tecnologias avançadas (sistemas de apoio à decisão, agricultura de precisão, etc.)
  • A implementação de estratégias de rega deficitária controlada ou a implementação de margens multifuncionais e corredores verdes nas parcelas agrícolas.

A Syngenta vem vindo a trabalhar com agricultores em todo o mundo para implementar estas Boas Práticas, no âmbito do Good Growth Plan, o plano global da empresa baseado em 6 compromissos para uma Agricultura Mais Sustentável. Mais de 13 milhões de hectares de terras agrícolas (o equivalente à área da Grécia) foram beneficiadas por práticas de conservação do solo e medidas para aumento da biodiversidade, graças ao envolvimento de milhares de agricultores que tal como nós acreditam no valor inestimável do Solo.

O artigo foi publicado originalmente em Alimentar com inovação.

Comente este artigo
Anterior 12/12 e 13/12: Sessões de informação "Por uma Gestão Ativa da Floresta"- parceria Projeto "Limpa e Aduba", da CELPA
Próximo 2BForest organiza Sessões de informação "Por uma Gestão Ativa da Floresta" - 12 e 13 dezembro - Penela e Ferreira do Zêzere

Artigos relacionados

Nacional

Governo apela ao consumo de produtos locais, especialmente de frutas e legumes

A ministra da Agricultura diz que os hábitos de consumo estão a mudar e as pessoas compram menos produtos frescos, o que afecta os produtores locais […]

Nacional

Açores investem 168 mil euros em drones para monitorização da floresta

O Governo dos Açores vai investir 168 mil euros na aquisição de quatro drones para a monitorização de projetos florestais privados e apoiar o trabalho de atualização do Inventário Florestal na região. […]

Nacional

Produção de cereais inferior a 200 mil toneladas

O Instituto Nacional de Estatística (INE), nas suas previsões agrícolas, a 31 de Julho, espera uma produção de cereais inferior a 200 mil toneladas na actual campanha. […]