Sistemas agroflorestais desenvolvem o interior

Sistemas agroflorestais desenvolvem o interior

Na Quinta da Póvoa, em Torres Vedras, a nova plantação de eucalipto cresce em equilíbrio com vinhas e pomares seculares de pera rocha.

A agrofloresta está a abrir novos caminhos no Interior, juntando a produção florestal a outros tipos de agricultura. Na Quinta da Póvoa, em Torres Vedras, os velhos pomares de pereiras geram um destilado de pera rocha – o premiado Old Nosey – num mosaico que inclui vinhas e um eucaliptal sustentável que já permitiu recuperar o solo e proteger as outras culturas de pragas e doenças.

O avô de Miguel Vasconcelos Guisado foi pioneiro na cultura do eucalipto na região de Torres Vedras, ao plantar os primeiros eucaliptos na serra do Socorro. Quando o neto decidiu substituir eucaliptais com 60 anos, não hesitou em ser também pioneiro: um dos terrenos foi reconvertido em vinha de sequeiro e, nas encostas onde as tropas de Wellington vigiaram o invasor francês, nasceu um novo eucaliptal, mais sustentável. A inspiração para tudo isto surgiu de outros dos componentes da Quinta da Póvoa: os seculares pomares de pereiras.

“Antigamente, alguns dos pomares tradicionais estavam no meio de vinhas e outros isolados, mas instalados de uma forma que pretendia a não mobilização vertical e algum pastoreio de animais. Técnicas que hoje são recuperadas”, explica à “Produtores Florestais” Miguel Vasconcelos Guisado, que vê a vinha plantada em 2016 a produzir 15 toneladas por hectare.

Um clone adequado e pH equilibrado

O produtor assegura que a substituição do eucalipto por vinha não implicou cuidados especiais. “Incorporámos matéria orgânica, fizemos a preparação do terreno – sem terraplanagens ou operações que pudessem danificar o solo –, uma boa drenagem e instalámos a vinha. Houve um intervalo em que fizemos uma cultura de aveia para limpar o terreno, mas é uma prática normal”, recorda.

“O eucaliptal faz uma barreira junto dos pomares e das vinhas e permite criar uma faixa tampão à entrada de pragas e doenças”, explica Miguel Vasconcelos Guisado, da Quinta da Póvoa.

A plantação do novo eucaliptal seguiu a mesma filosofia. “Nessa zona da propriedade, os solos são como uma manta de retalhos. Numa mancha com dois hectares que tinha um pH muito elevado, nefasto à introdução de eucaliptos, além de escolher um clone mais adequado, optei pela não mobilização, e instalei o eucaliptal como se fosse uma vinha ou um pomar dos antigos”, recorda. O controlo do coberto vegetal passou a ser feito com corta mato ou, como aconteceu este ano, com recurso às vacas de um produtor vizinho.

Controlo biológico natural

A experiência não podia ter corrido melhor. “Como não houve lixiviação nem mobilização, consegui criar um microclima e o pH acabou por suavizar. Neste momento temos um equilíbrio no solo muito mais interessante e os eucaliptos estão a crescer muito bem”, assume Miguel Vasconcelos Guisado, para quem, em silvicultura, não há “espécies más”.

“Naquele sítio, o eucaliptal faz uma barreira junto dos pomares e das vinhas e permite criar uma faixa tampão à entrada de pragas e doenças. Na vinha mais antiga que tenho, que é de 2015, nunca apliquei inseticida, porque na quinta há um microclima, morcegos e pássaros que se abrigam nas árvores centenárias que rodeiam os pomares e no próprio eucaliptal. É um controlo biológico que me permite uma poupança enorme, além do bem ambiental”, diz.

Para este equilíbrio contribui ainda o apiário, localizado dentro do eucaliptal, onde existem ainda algumas árvores antigas.

O artigo foi publicado originalmente em Produtores Florestais.

Comente este artigo
Anterior Escassez da água pode levar a um aumento do preço
Próximo AgroVida abril 2021

Artigos relacionados

Dossiers

La estabilidad se impone en los precios en origen del aceite


Los precios en origen del aceite de oliva se mantuvieron estables o con muy pocas variaciones en relación a la semana anterior. […]

Últimas

Commel ganha Concurso da CAP “Cultiva o teu Futuro” com temperos naturais à base de mel

A CAP — Confederação dos Agricultores de Portugal recebeu a final da 8.ª edição do Concurso Universitário e Politécnico “Cultiva o Teu Futuro” […]

Cotações PT

Cotações – Flores e Folhagens – Informação Semanal – 30 Setembro a 6 Outubro 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
Conjuntura semanal
Alstroeméria – Na Região Norte, na área de mercado de produção Entre Douro e Minho, […]