Simab debate desafios alimentares na América Latina e no Caribe

Simab debate desafios alimentares na América Latina e no Caribe

O Grupo SIMAB acaba de participar na primeira edição da “Semana de la Agricultura y la Alimentación”, uma iniciativa promovida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e pelo Governo da Argentina, com a intenção de debater os desafios que neste âmbito se colocam à América Latina e ao Caribe.

Terminada esta quarta-feira (21), em Buenos Aires, envolveu mais de um milhar de pessoas, entre parceiros privados, públicos, académicos, do mundo rural, produtores e outros membros da sociedade civil, assumindo-se como um grande fórum regional de troca de experiências, diálogo, aprendizagem e construção de acordos.

Segundo Teresa Pereira – a diretora-comercial do Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL), que representou o Grupo SIMAB neste fórum –, os trabalhos concentraram-se em temas como «os sistemas alimentares para combater a obesidade e a fome», «estratégias para erradicar a pobreza rural e promover o desenvolvimento rural sustentável», «sociedades rurais resilientes e a nova economia agroalimentar adaptada às mudanças climáticas», e nos «desafios tecnológicos do futuro no desenvolvimento agrícola e rural».

Para o subdiretor-geral e representante regional da FAO, Julio Berdegué, que intervinha na cerimónia de abertura, as duas principais causas das recentes ondas de migração na América Latina e no Caribe, especialmente nos países da América Central, são a seca prolongada e a queda do preço do café. «Estamos a assistir, por estes dias, a imagens de fluxos de pessoas que fogem dos campos, de povos da nossa América Latina e do Caribe, como se fossem zonas de guerra», disse.

Julio Berdegué enfatizou, já em declarações aos jornalistas, que, para a FAO, é importante criar condições para que as pessoas não decidam migrar. «No momento em que o migrante comprou a passagem para apanhar o autocarro e sair, já temos pobreza; o nosso trabalho é ver como criamos condições para que ele não queira, não precise, de apanhar esse autocarro», disse.

«Temos quatro milhões de camponeses no corredor seco que perderam as suas colheitas. Além disso, o preço do café caiu. Então, o trabalho para ir colher café também caiu. Essa combinação de seca e de baixos preços do café é realmente uma bomba, deixando milhares de famílias a sofrer as consequências», sublinhou.

Julio Berdegué defendeu que a região precisa de uma revolução agrícola que erradique a fome e que estabeleça as bases de uma dieta rica, lembrando assim que, «hoje, no século XXI, quase metade da população rural da América Latina e do Caribe vive em condições de pobreza rural e que um em cada cinco habitantes rurais vive em extrema pobreza».

Segundo Berdegué, a América Latina e o Caribe produzem alimentos suficientes para garantir o consumo básico de seus 646 milhões de habitantes e outros 169 milhões de pessoas de outras regiões.

Contudo, 294 milhões de latino-americanos e caribenhos, isto é, 46% da população, sofrem de desnutrição, apesar de, como disse Berdegué, a região ser um “Jardim do Éden”, onde são produzidos cereais, sementes oleaginosas, carnes, café, cacau, vegetais, frutas, sucos, vinhos e açúcar.

SIMAB, 23 de novembro de 2018simab

 

Comente este artigo
Anterior Razões para a obtenção de direitos sobre variedades vegetais - Diogo Antunes
Próximo Oferta de emprego - Eng. Orçamentista Espaços Verdes e Obras Florestais - Lisboa

Artigos relacionados

Sugeridas

Instituto Superior de Agronomia vence competição formativa 24H Agricultura Syngenta

A equipa Castras SA do Instituto Superior de Agronomia arrecadou o 1º lugar da competição formativa 24H Agricultura Syngenta, um evento da Associação Portuguesa de Horticultura. […]

Últimas

Governo prolonga Declaração de Situação de Alerta face ao risco de incêndio florestal

Foi declarada a situação de alerta face ao risco de incêndio florestal para o período compreendido entre as 00h01 do dia 13 de setembro e as 23h59 do dia 14 de setembro de 2019, […]

Comunicados

Esclarecimento público sobre o conteúdo da Plataforma Alentejo

No sentido de responder a todas e todos os que se nos dirigem questionando sobre se não teria sido importante incluir mais uma ou outra infra-estrutura na Plataforma Alentejo importa esclarecer:

A Plataforma Alentejo não pretendeu ser uma longa lista de infra-estruturas, […]