Shimejito fecha ronda seed de 10,5 milhões para fazer crescer estufas de cogumelos

Shimejito fecha ronda seed de 10,5 milhões para fazer crescer estufas de cogumelos

A startup com sede no Fundão quer multiplicar biofábricas até às quatro unidades de produção até final do próximo ano. Além do Fundão, quer unidades no Porto, Lisboa e Algarve.

A startup portuguesa Shimejito captou uma ronda de investimento seed no valor de 10,5 milhões de euros (12,8 milhões de dólares). Com o investimento, a norte-americana GF Capital fica com 40% da empresa que desenvolveu uma tecnologia que permite a qualquer pessoa ser produtora de cogumelos. O investidor tem ainda a opção de realizar a série A de investimento por mais 30 milhões de dólares (e mais 10% da empresa).

Fundada em 2017 pelo brasileiro Adriel Oliveira, a empresa tem como base princípios da economia circular, agricultura vertical e descentralização da produção/distribuição de cogumelos. “Desenvolvemos tecnologia para que qualquer pessoa possa tornar-se num produtor de cogumelos do futuro, com um negócio muito rentável e amigo do ambiente”, explica o fundador da empresa, sublinhando que as fábricas produzem para produção própria e também para o ecossistema local.

A primeira ronda de investimento angel, no valor de 20 mil euros, foi recebida durante o Web Summit, em 2018. Esta nova ronda vai acelerar a consolidação do mercado português — onde a empresa quer assegurar 20% como distribuidora e produtora –, assim como permitir a diversificação de produtos, além de planificar a expansão da startup para os Estados Unidos.

Além da produção de cogumelos nas suas farms (as estufas), a Shimejito produz aditivos biológicos, à base de micélio, nas suas biofábricas, que podem ser utilizados em jardinagem e plantações, eliminando a necessidade de utilização de produtos químicos na agricultura e tornando as colheitas mais sustentáveis e qualificáveis como biológicas.

Neste momento, a startup tem uma biofábrica no Fundão, que conta com três estufas de cogumelos. A ronda de financiamento vem ajudar na construção da nova biofábrica, no Porto, e de mais dez estufas sendo que a primeira já está em instalação, em Matosinhos.

O objetivo da empresa passa por expandir a produção para quatro biofábricas (Fundão, Porto, Lisboa e Algarve) com pelo menos 40 estufas.

Continue a ler este artigo no ECO.

Comente este artigo
Anterior Novo apoio para a promoção de vinhos em países terceiros no valor de seis milhões de euros
Próximo Mar 2020 aprova 17 projetos da pesca e aquicultura com 8,3 ME de apoio

Artigos relacionados

Últimas

III Conferência iPlanta vai ser em Portugal – de 27 de fevereiro a 1 de março

O CiB – Centro de Informação de Biotecnologia) e o ITQB NOVA estão a organizar a 3ª conferência anual iPlanta, que se realizará entre 27 de fevereiro e 1 de março no Auditório do ITQB NOVA, […]

Últimas

Associação de enotorismo pretende regulamentar atividade

Foi apresentada a primeira associação dedicada ao enoturismo, a APENO – Associação Portuguesa de Enoturismo. Na sessão de apresentação, realizada online, […]

Últimas

Caldas da Rainha recebe conferência sobre estatuto da agricultura familiar

Tem lugar na tarde de hoje, 12 de Julho, no auditório da Comunidade Intermunicipal do Oeste, […]