Sem agricultura não há floresta

Sem agricultura não há floresta

Reunida hoje em Assembleia Geral a UNAC enfatiza a necessidade imperiosa de assegurar financiamento para todas as Medidas Agro-Ambientais do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) no ano de 2020.

Sabemos hoje que são necessários 20 M€ para que seja possível manter o programa de Medidas Agro- Ambientais em todo o território nacional.

Este facto deixa apenas uma hipótese ao Governo Português: compatibilizar o uso dos fundos disponíveis no PDR para a agricultura e para a floresta e garantir o pagamento das Medidas Agro-Ambientais, um rendimento essencial à viabilidade económica destes sistemas de produção.

Num momento em que existe o compromisso europeu do Green Deal, em que a Acção Climática é uma prioridade do Estado e em que toda a sociedade se envolve em comportamentos mais sustentáveis, o  Estado Português prepara-se para penalizar as boas práticas agrícolas e os sistemas mais frágeis em termos agro-ecológicos, descontinuando o pagamento das Medidas Agro-Ambientais no ano de 2020.

Este é o primeiro mau exemplo da falta de integração governativa sobre os assuntos do território rural, dissociando as florestas da envolvente agrícola e pecuária que são o seu seguro diário, pelo controlo da carga combustível que asseguram e pela presença humana que garantem.

Uma agricultura ecológica e complementar da floresta, que garanta um mosaico vivo e um modelo de desenvolvimento agro-florestal de uso-múltiplo e baixa intensidade produtiva é essencial para a resiliência dos nossos territórios rurais e para a sua acção determinante em termos climáticos: não arderem e assegurarem o sequestro de carbono.

As medidas Agro-Ambientais mais penalizadas por este corte serão as medidas específicas dos Montados, do Olival Tradicional ou do Castanheiro, medidas complementares à produção integrada e à produção biológica e aquelas que fazem maior diferença nos territórios mais frágeis, em termos sociais e ambientais.

Dentro dos fundos ainda disponíveis no PDR é perfeitamente possível em 2020 compatibilizar as necessidades para a continuidade das Medidas Agro-Ambientais (20 M€), com um pacote robusto e adequado de investimento na floresta (70 M€) abarcando as medidas de arborização e de beneficiação florestal.

A disponibilização de 70 M€ para investimento na floresta em 2020 representa um aumento superior a 20 % nas verbas lançadas a concurso e contratadas em média nos últimos 4 anos. Esta solução de compromisso responde às necessidades do sector florestal, devendo os apoios à floresta ser prioritariamente direcionados para as intenções de investimento já manifestadas.

Apoiar o modelo de produção Agro-Florestal é responder ao compromisso da sociedade e contribuir para um balanço social, ambiental e climático positivo.

Comente este artigo
Anterior Sessão de divulgação de Medida PDR 2020 - 19 de dezembro - Beja
Próximo Vítimas de Pedrógão Grande com nova líder

Artigos relacionados

Últimas

Seca. “É necessário uma reinvenção” na agricultura

Veja também:

É preciso preparar o futuro na agricultura para se enfrentar as alterações climáticas, defende Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores e Portugal (CAP). […]

Notícias florestas

Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais está há meses na gaveta

O observatório que deveria emitir parecer sobre o plano está a terminar o mandato, mas o documento ainda não foi divulgado. […]

Nacional

CATAA

A Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB), criada em março de 2009, é uma associação pública de autarquias locais, que visa a prossecução conjunta das respetivas atribuições e a realização de interesses comuns aos municípios que a integram. […]