Seis pilares do novo Acordo Verde, o “momento homem na Lua da Europa”

Seis pilares do novo Acordo Verde, o “momento homem na Lua da Europa”

Pacto apresentado pela presidente da Comissão Europeia propõe novas metas de redução de emissões rumo à neutralidade carbónica, fundos para ajudar as empresas na fase de transição e novos impostos aos setores marítimo e da aviação.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou esta quarta-feira os pilares do novo “European Green Deal” (Acordo Verde Europeu), numa altura em que decorre a cimeira do clima das Nações Unidas, em Madrid.

Os europeus vão mudar o seu estilo de vida nas próximas décadas para defender o planeta e combater as alterações climáticas.

Do roteiro anunciado por Ursula von der Leyen fazem parte 50 ações concretas para fazer a transição para uma economia amiga do ambiente.

A transição vai abranger todas as atividades da economia. O investimento público e privado para uma economia verde é massivo. A Comissão Europeia propõe mobilizar 100 mil milhões de euros para ajudar as regiões e os setores económicos mais afetados por esta transição.

Ursula von der Leyen compara o Acordo Verde ao “momento homem na Lua da Europa”. O objetivo tornar o espaço comunitário no primeiro grande bloco neutral em emissões de dióxido de carbono até 2050.

Pilares do novo Acordo Verde

Acelerar redução das emissões: A presidente da Comissão Europeia estabelece como meta que os Estados-membros da UE reduzam as emissões em pleno menos 50%, na próxima década, até 2030. A comparação são os níveis verificados na década de 90. Até agora, o objetivo era chegar a uma redução de 40% nos próximos dez anos. Von der Leyen admite esticar até aos 55%.

Lobistas ambientais defendem uma redução ainda mais ambiciona, entre os 60% e 70%, até 2030, o que poderá ter consequências negativas para a indústria e para a economia da UE, alertam os analistas.

 

Uma Lei Climática para a Europa: A presidente da Comissão Europeia promete apresentar a primeira Lei Climática Europeia, até março de 2020. No diploma ficará consagrada a meta de neutralidade carbónica até 2050.

Novos impostos: A alemão Ursula von der Leyen vai começar a trabalhar imediatamente num imposto de carbono fronteiriço, que será aplicado a empresas poluentes de fora do espaço da União Europeia. Tudo para que o esforço ambiental dos empresários europeus seja salvaguardado em matéria de concorrência.

O novo imposto vai chegar em 2021, para “algumas indústrias selecionadas”. Cumprirá as regras das Organização Mundial do Comércio.

O mercado europeu de transação de emissões, que taxas as indústrias, vai ser reformado para incluir os setores marítimo, a aviação, transportes e construção.

Fundo de transição: A Comissão Europeia vai avançar com um fundo para ajudar as empresas com maiores emissões de dióxido de carbono, dependentes dos combustíveis fósseis, a fazerem a transição para uma economia verde.

As verbas para o Fundo de Transição Justa vão depender das negociações do orçamento para o período 2021-2027 e dos fundos de coesão.

O objetivo é conseguir reunir 35 mil milhões de euros, além de mais algumas dezenas de milhares de milhões de euros de fontes de financiamento alternativas, nomeadamente do Banco Europeu de Investimento (BEI).

O Fundo de Transição Justa permitirá às regiões europeias mais dependentes dos combustíveis fósseis, nomeadamente do carvão, que consigam financiar a mudança para energias e indústrias mais “verdes”. Outro objetivo é requalificar trabalhadores para indústrias mais tecnológicas e sustentáveis.

Investimento verde: Ursula von der Leyen pretende que o Banco Europeu de Investimento seja um motor da mudança e um “Banco Europeu climático”, que dedique metade do seu bolo total de financiamento a investimento climático, até 2025.

Bruxelas também tenciona financiar partes do Acordo Verde com um plano europeu de investimento sustentável, com um bilião de euros na próxima década, públicos e privados.

Nova estratégia para a agricultura e biodiversidade: A presidente da Comissão Europeia também promete atualizar o setor agrícola, com políticas como a “Farm to Fork Strategy” (estratégia da quinta para o garfo, em tradução literal”, desenhada para ajudar os agricultores a produzir alimentos de forma mais sustentável e amiga do ambiente.

O Acordo Verde contempla também um estratégia para a biodiversidade para os próximos dez anos, com a UE a posicionar-se na vanguarda na cimeira da Biodiversidade das Nações Unidas, marcada para 2020

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Cotações – Suínos – Informação Semanal – 2 a 8 Dezembro 2019
Próximo Escola Superior Agrária de Coimbra integrou projeto galardoado em França

Artigos relacionados

Dossiers

El FEGA abona a los productores más de 7.411 millones/€ de las ayudas de la PAC en 2018


El Fondo Español de Garantía Agraria (FEGA) ha abonado más de 7.411 millones de euros de las ayudas de la PAC (Política Agraria Común) en la campaña 2018, […]

Últimas

Potencialidades produtivas de variedades de mirtilo na região de Viseu

A cultura do mirtilo (Vaccinium corymbosum) entrou em Portugal no início dos anos noventa, pela mão dos holandeses. Contudo, só 20 anos mais tarde assumiu uma importância considerável, […]

Últimas

Qualidade dos produtos do Ribatejo reforçada no Agribusiness 2019

Em dois dias de reuniões business to business e um dia de visitas às empresas da região, a qualidade dos produtos do setor agro-alimentar do Ribatejo foi evidenciada perante os 28 participantes internacionais presentes na 4.ª […]