Seis organizações fazem apelo a Portugal e à UE contra biomassa

Seis organizações fazem apelo a Portugal e à UE contra biomassa

Seis organizações ligadas ao ambiente apelaram hoje ao Governo português, que preside ao Conselho da União Europeia, e à Comissão Europeia para que não viabilizem o financiamento público à queima de árvores para produzir eletricidade.

Em comunicado, as seis organizações salientam que a eletricidade obtida a partir da queima de árvores nunca será verde, e dizem que a aposta política europeia de utilizar a biomassa florestal para produzir eletricidade é contestada socialmente e tem a oposição de muitos cientistas.

O comunicado fala da perda de coberto arbóreo decorrente da produção de eletricidade, dentro e fora da União Europeia, e diz que se alega a utilização de resíduos florestais para queimar em centrais termoelétricas ou para fazer pellets, mas que na verdade se está a usar são “quase exclusivamente” troncos de árvores.

Em todo o caso, os designados “resíduos”, na verdade são sobrantes da atividade silvícola, essenciais à manutenção do fundo de fertilidade dos solos, mais ainda em Portugal, um país de maioria de solos muito pobres em teor de matéria orgânica”, alertam as organizações.

No comunicado, as organizações ambientalistas Zero, Quercus, Íris, Fapas e Geota, e a Acréscimo, Associação de Promoção ao Investimento Florestal, salientam também que os espaços arborizados em Portugal são vítimas de sobre-exploração, que os incêndios têm aumentado a escassez de matéria-prima, e que o crescente número de unidades licenciadas para a queima de biomassa ou fabrico de pellets fez aumentar ainda mais a pressão sobre a floresta.

“Os impactes nos ecossistemas, sobre a biodiversidade, os solos e os recursos hídricos têm sido muito nefastos. Aos impactes sobre os ecossistemas acrescem os riscos da significativa poluição atmosférica e sonora inerentes ao funcionamento das centrais de queima de arvoredo”, dizem as organizações, frisando que a queima de árvores para produzir eletricidade não produz menos emissões nem gera menos poluição do que os combustíveis fósseis.

As seis associações duvidam que a opção pela bioenergia tenha impacto no problema dos incêndios florestais e dizem também que o investimento na biomassa não é racional e que só é viável com forte apoio público e com um “considerável esforço financeiro” dos consumidores de eletricidade.

O apelo nesta terça-feira divulgado surge a propósito de uma nova diretiva da União Europeia sobre energias renováveis que deve ser apresentada em julho. Recentemente outras organizações ambientalistas de vários países da União Europeia já tinham considerado a biomassa para produzir eletricidade como insustentável e ineficaz.

Comente este artigo
Anterior Pedrógão Grande: Arguido diz que gestão de combustível foi feita na EN 236-1 antes dos incêndios
Próximo Sessão de Apresentação e Divulgação do Projeto Conjunto de Internacionalização PORTUGUESE MEAT

Artigos relacionados

Nacional

Torres Vedras vai plantar 67 mil árvores autóctones

A Câmara de Torres Vedras aprovou esta terça-feira um programa de incentivo à reconversão da floresta e de arborização de terrenos incultos no concelho com a plantação de 67 mil árvores autóctones nos próximos cinco anos. […]

Sugeridas

Paulo Martinho é o “Melhor jovem agricultor 2017”

[Fonte: Revista Fruta Legumes e Flores] Paulo Martinho, o jovem agricultor responsável pelo projecto Sementes Vivas, venceu o prémio de “Melhor jovem agricultor 2017” com este projecto. […]

Nacional

Incêndios: Governo cria bolsa de maquinaria num investimento de “quase 12 ME”

As organizações de produtores florestais e as Comunidades Intermunicipais (CMI) vão dispor de uma bolsa de maquinaria para gestão de fogo rural, com 63 máquinas pesadas […]