Seca persistente e dura reclama apoios excepcionais

Seca persistente e dura reclama apoios excepcionais

CNA reafirma que são rotineiros e muito insuficientes os apoios destinados à Agricultura e uma vez mais divulgados pelo Ministério da Agricultura, a pretexto dos prejuízos provocados pela Seca persistente.

De facto, trata-se já de pura demagogia (concreta), o Ministro da Agricultura vir falar outra vez, e a “seco”, em proporcionar 400 milhões de Euros através da antecipação, aliás já rotineira, do pagamento (até 31 de Outubro) de 70% das Ajudas da PAC, sobretudo dentro do chamado regime de pagamento base. Além do mais, quem agora receber essas verbas “adiantadas” já não as virá a receber, mais à frente, dentro do prazo dito normal…

Portanto, na situação muito complicada que já se vive na Lavoura Nacional e perante as más perspectivas climáticas – falta de chuva e calor – para os próximos tempos, a CNA reafirma também que são necessários apoios públicos realmente excepcionais para acudir à calamidade da Seca, por exemplo e para o imediato:

— Medidas concretas para ajuda à compra ou ao abastecimento de alimentação animal nas pequenas e médias Explorações Pecuárias.

— A reposição do reembolso aos Agricultores pelo menos de parte do valor do consumo de Energia Eléctrica nas explorações agrícolas (e no Sector Cooperativo).

— A isenção (temporária) do pagamento de Taxas Hídricas.

— A criação de Linhas de Crédito Bonificado à Lavoura mas a longo prazo – a 20 anos – que as Linhas de Crédito a curto prazo (5 anos) acabam por servir mais a Banca e não tanto os Agricultores que a elas recorrem…

— A candidatura do nosso País ao “Fundo Europeu de Solidariedade” da UE, em especial para nele enquadrar apoios excepcionais, práticos, às pequenas e médias Explorações Familiares e para medidas estruturais de combate à erosão e à desflorestação.

No médio e longo prazos e prevendo-se que se vão manter as alterações climáticas e a falta de água:

— A atribuição de apoios excepcionais direccionados à produção de Sementes e a Culturas de espécies autóctones e tradicionais mais adaptadas à “falta” de Água.

— A dotação orçamental – em Orçamento de Estado — necessária para a criação sustentável e controlada de novos Regadios, particularmente em regiões mais carenciadas.

— Definição e financiamento de Medidas integradas para dar combate à erosão e à desertificação “naturais”, e também à desflorestação, de vastas regiões.

Comente este artigo
Anterior CATAA/CEi e Inovcluster promovem potencialidades de Castelo Branco na feira TECHDAYS - 12 a 14 de Outubro 2017- Aveiro
Próximo Oferta de emprego freelancer – Engenheiro Agrónomo (M/F) – Marvão

Artigos relacionados

Comunicados

“Alterações Climáticas e Agricultura”

No dia 26 de abril, a Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural participou no Simpósio “Alterações Climáticas e Agricultura” na 36ª OVIBEJA […]

Sugeridas

Os agricultores têm de produzir bem, não lhes cabe o ónus da prova da eficiência ambiental – Joaquim Pedro Torres

A relação agricultura/ambiente é hoje minuciosamente escrutinada pela opinião pública. […]

Comunicados

EUROPA – Press releases – server inaccessibility

Serveur de communiqués de presse indisponible actuellement
Le serveur des communiqués de presse est actuellement indisponible.Vous pouvez néanmoins accéder aux derniers communiqués de presse en cliquant iciNous sommes désolés pour les inconvénients occasionnés. […]