Seca persistente e dura reclama apoios excepcionais

Seca persistente e dura reclama apoios excepcionais

CNA reafirma que são rotineiros e muito insuficientes os apoios destinados à Agricultura e uma vez mais divulgados pelo Ministério da Agricultura, a pretexto dos prejuízos provocados pela Seca persistente.

De facto, trata-se já de pura demagogia (concreta), o Ministro da Agricultura vir falar outra vez, e a “seco”, em proporcionar 400 milhões de Euros através da antecipação, aliás já rotineira, do pagamento (até 31 de Outubro) de 70% das Ajudas da PAC, sobretudo dentro do chamado regime de pagamento base. Além do mais, quem agora receber essas verbas “adiantadas” já não as virá a receber, mais à frente, dentro do prazo dito normal…

Portanto, na situação muito complicada que já se vive na Lavoura Nacional e perante as más perspectivas climáticas – falta de chuva e calor – para os próximos tempos, a CNA reafirma também que são necessários apoios públicos realmente excepcionais para acudir à calamidade da Seca, por exemplo e para o imediato:

— Medidas concretas para ajuda à compra ou ao abastecimento de alimentação animal nas pequenas e médias Explorações Pecuárias.

— A reposição do reembolso aos Agricultores pelo menos de parte do valor do consumo de Energia Eléctrica nas explorações agrícolas (e no Sector Cooperativo).

— A isenção (temporária) do pagamento de Taxas Hídricas.

— A criação de Linhas de Crédito Bonificado à Lavoura mas a longo prazo – a 20 anos – que as Linhas de Crédito a curto prazo (5 anos) acabam por servir mais a Banca e não tanto os Agricultores que a elas recorrem…

— A candidatura do nosso País ao “Fundo Europeu de Solidariedade” da UE, em especial para nele enquadrar apoios excepcionais, práticos, às pequenas e médias Explorações Familiares e para medidas estruturais de combate à erosão e à desflorestação.

No médio e longo prazos e prevendo-se que se vão manter as alterações climáticas e a falta de água:

— A atribuição de apoios excepcionais direccionados à produção de Sementes e a Culturas de espécies autóctones e tradicionais mais adaptadas à “falta” de Água.

— A dotação orçamental – em Orçamento de Estado — necessária para a criação sustentável e controlada de novos Regadios, particularmente em regiões mais carenciadas.

— Definição e financiamento de Medidas integradas para dar combate à erosão e à desertificação “naturais”, e também à desflorestação, de vastas regiões.

Comente este artigo
Anterior CATAA/CEi e Inovcluster promovem potencialidades de Castelo Branco na feira TECHDAYS - 12 a 14 de Outubro 2017- Aveiro
Próximo Oferta de emprego freelancer – Engenheiro Agrónomo (M/F) – Marvão

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Los cambios en el PE no provocarán variaciones significativas en la nueva PAC

El resultado de las elecciones europeas ha modificado el equilibrio de fuerzas en el Parlamento Europeo (PE). Los dos partidos que dirigían tradicionalmente la Asamblea deberán pactar con los liberales, […]

Sugeridas

À procura de flores no terreno e na memória: Paisagem da região Centro não deixa esquecer incêndios de outubro de 2017

A paisagem de vários concelhos do interior da região Centro não deixa esquecer a tragédia dos incêndios de outubro de 2017, […]

Nacional

Incêndios. Plano de combate apresentado no fim do mandato do observatório que o devia validar

Observatório Técnico Independente, responsável pela avaliação do documento, termina o mandato no final do mês.

O Governo apresenta esta quinta-feira o Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais, […]