Resumo do mercado mundial do abacate

Resumo do mercado mundial do abacate

A produção de abacate está a passar do hemisfério sul para o do norte. Em Espanha a temporada começou recentemente com a colheita dos primeiros abacates “Bacon” em Málaga e Granada. Itália seguirá pouco depois e também no México a época alta está prestes a começar.

O abacate continua a ter muito sucesso entre os consumidores e é difícil equilibrar a oferta e a procura. Esta temporada registaram-se alguns obstáculos, com a redução do volume de produção no Chile na ordem dos 25% e dos 30% na África do Sul. A Califórnia espera outra colheita recorde este ano. Além disso, a produção de abacates está a crescer na Colômbia e a Austrália e Nova Zelândia têm planos ambiciosos.

Produção

Espanha. A campanha arranca com os primeiros “Bacon”

A temporada espanhola começou em Málaga e Granada com a colheita dos primeiros abacates “Bacon”. Em geral os rendimentos este ano são mais baixos, sobretudo por ser um ano “off” para a cultura e as temperaturas de verão terem sido demasiado altas.

As próximas variedades a serem colhidas serão a “ Forte” e a “Hass”, a variedade mais plantada em Espanha. As condições de mercado são boas para os abacates espanhóis de pele verde. Há uma boa procura e um preço razoável.

México. Temporada alta está a começar

O México produz abacate todo o ano, com especial destaque para a variedade “Hass”. A maior região produtora é Michoacán, de onde provém 80% desta fruta. A segunda é Jalisco, que não pode exportar para a China e os Estados Unidos, pelo que os seus principais mercados de exportação são o Japão, Canadá e Europa. A época alta vai de outubro a janeiro.

Este ano houve uma procura estável e bons volumes, se bem que a popularidade do abacate tem dificultado o equilíbrio entre a oferta e a procura. Espera-se uma queda de preços consoante cheguem mais volumes ao mercado.

Chile. Volume desce 25% devido à seca

Os principais mercados de exportação do Chile são os EUA e a China, e a seca registada este ano reduziu o volume e os calibres em 25%. A produção vai de setembro a fevereiro, tendo de competir com o México na sua época alta. O mercado nacional também é importante para o Chile. Devido à seca, alguns produtores optaram por não alargar as explorações e outros até mudaram de culturas como a cereja e o mirtilo que requerem menos água que o abacate.

Mercado

China continua com as exportações em grande escala

Na China são poucas as zonas onde se podem produzir abacates e, além disso, o volume é pequeno e a qualidade nem sempre estável. Assim, o país depende das importações, nomeadamente do México, China e Peru.

Publicado em: Freshplaza.es

Artigo completo aqui.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior “Plantma X” prestes a iniciar testes de campo
Próximo Experts ‘overwhelmingly’ endorse CRISPR-edited crop safety, but politics could stifle technology’s progress

Artigos relacionados

Últimas

Norcaça, Norpesca & Norcastanha. Um evento cada vez mais inclusivo e dinâmico

A 17.ª Feira Internacional do Norte, realizada em 2018, revelou-se a maior edição de sempre da “Norcaça, Norpesca & Norcastanha”, um evento cada vez mais inclusivo, […]

Últimas

Abertura de 954 concursos para trabalhadores na Administração Pública

O Governo dos Açores, através da vice-presidência, aprovou o mapa anual global consolidado de recrutamento para os serviços e organismos da administração regional em 2019. […]

Últimas

Agricultores de Pombal querem apoios para combater prejuízos causados por javalis

Os agricultores de Pombal exigiram esta semana ao Governo apoios especiais para combater os prejuízos decorrentes do aumento descontrolado da população de javalis no país. […]