ANIPLA: Relatório DGAV – Produtos Agrícolas Portugueses em segurança

ANIPLA: Relatório DGAV – Produtos Agrícolas Portugueses em segurança

O mais recente relatório de Controlo de Pesticidas em Portugal, elaborado pela Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária, confirmou a que 98,3% das amostras analisadas não apresentavam resíduos ou apresentavam em quantidades inferiores aos Limites Máximas de Resíduos (LMR) definidos por lei. De acordo com os dados finais transmitidos à EFSA (“European Food Safety Authority”) o relatório compreendeu a análise de um total de 370 amostras em produtos de origem vegetal. Os dados obtidos permitiram concluir que 54,3% das amostras de produtos vegetais, apresentavam resíduos inferiores ao LMR (195 amostras) e que 44% (158 amostras) não apresentavam resíduos.

Para o Director Executivo da ANIPLA, António Lopes Dias,

O relatório da DGAV vem confirmar o caminho firme que tem sido seguido pelo sector e pela indústria para assegurar uma produção eficiente e segura para todos os consumidores. Ainda que algumas organizações continuem a insistir na divulgação de dados e estudos pouco fundamentados, com vista a criar um clima de medo e insegurança para as famílias, este relatório traz a evidência de que, cada vez mais, os produtores agrícola investem em tecnologia e formação intensiva para assegurar o cumprimento escrupuloso da legislação, e a qualidade e segurança dos produtos, integrando também exigentes padrões de respeito pela sustentabilidade dos solos, da água e do ambiente no geral.“, conclui o responsável.

Excederam o LMR 6 amostras de produtos vegetais (1,67%); destas, foram consideradas como sendo infrações ao LMR, 3 amostras (0.83% do total das amostras de produtos vegetais).  O número de amostras com resíduos excedendo o LMR foi de 2,8 % em 2015, 3,9% em 2014, 5,9% em 2013, 3.9% em 2012 e 2.8% em 2011.  Nas 23 amostras provenientes de modo de produção biológico (MPB) foram encontrados resíduos (abaixo do LMR) em 4 amostras: banana, couve de repolho, cebola e alho francês (este caso, omisso na tabela da EFSA), constituindo infração aquele modo de produção, os resíduos detetados em cebola (tiabendazol) e alho francês (boscalide).

Melhores práticas agrícolas, maior segurança nos alimentos

O relatório refere ainda que os LMR não são apenas valores seguros para o consumidor, tanto quanto os conhecimentos técnicos e científicos disponíveis no momento o permitem afirmar. Com efeito, para além daquele requisito indispensável, o LMR é também o valor de resíduos mais baixo possível que se encontra associado a práticas fitossanitárias autorizadas nas culturas. Em consequência deste último critério, a eventual transgressão de um LMR, se bem que ilegal, e como tal punida por lei, não se traduz necessariamente em risco para o consumidor.

Informação e conteúdo complementar:

Comente este artigo
Anterior Borrego Leonor & Irmão e Bayer organizam jornada formativa sobre proteção da vinha
Próximo Cooperativa de Montemor-o-Velho homenageia Maria Antónia Figueiredo - 2 de Março 2018 - Montemor - o - velho

Artigos relacionados

Candidaturas e pagamentos

Regime de apoio associado – Prémios Animais – Intenção de candidatura 2021

No âmbito do regime de apoio associado, será disponibilizado no portal do IFAP, entre 1 de outubro e 31 de dezembro de 2020, o formulário para manifestação de intenção de […]

Nacional

Proprietários de Alqueva preocupados com captação para reforçar água no Algarve

Os proprietários do Alqueva manifestam-se preocupados com a construção de uma captação no rio Guadiana, próximo de Pomarão, Mértola, que tem em vista reforçar as disponibilidades […]

Sugeridas

Conversas Agroglobal – 12 julho 2021

Portugal não tem uma reserva mínima de cereais para assegurar um mês de abastecimento às indústrias em caso de disrupção grave na cadeia de abastecimento. «É uma decisão que deve […]