Região do Barroso em destaque no “The New York Times”

Região do Barroso em destaque no “The New York Times”

A região do Barroso, formada pelos concelhos de Montalegre e Boticas, no distrito de Vila Real, mereceu destaque na edição de segunda-feira do norte-americano “The New York Times”, que dedicou um trabalho aos encantos de Trás-os-Montes.

“Clima severo”, “terreno acidentado”, “tradições agrícolas permanentes” e “beleza estonteante”. É esta a primeira descrição que o jornal norte-americano faz daquela que considera ser “uma das zonas mais isoladas” de Portugal, numa peça originalmente intitulada “Snapshots of Daily Life in a Remote Region of Portugal” (Momentos do dia-a-dia numa região remota de Portugal, em tradução livre).

Seguem-se mais elogios, desta vez dirigidos aos habitantes da região, “por vezes desdenhosamente (e erroneamente) retratados como simples e sem sofisticação”. “A verdade é que o seu profundo apego às suas terras e tradições faz de Trás-os-Montes uma das regiões do país mais únicas culturalmente”, pode ler-se na reportagem, assinada pelo fotógrafo brasileiro André Vieira, que em 2017 quis descobrir a terra onde a família tem raízes.

“O isolamento tornou as tradições daqui particularmente ricas e diversificadas. Os antigos rituais católicos combinaram-se com os vestígios culturais de muitos outros povos que, ao longo de vários séculos, encontraram o seu caminho para a região: visigodos, celtas, romanos, os soldados do exército de Napoleão”, escreve o “The New York Times” (NYT), destacando o “complexo sistema de cultivo” que os moradores do Barroso desenvolveram ao longo dos tempos, “para sobreviverem à implacável geografia” da região – um método baseado na gestão coletiva da água, das florestas e das pastagens usadas pelos animais, que ajuda “a manter o solo fértil, os rios e as nascentes limpos e a paisagem sem mácula”.

“É um sistema baseado na autossuficiência, onde os habitantes comem o que cultivam, assam o seu próprio pão (muitas vezes no antigo forno comunitário da sua aldeia), pisam as uvas das suas vinhas para fazer vinho e matam porcos para fazer salsichas e presunto – fumados em cima da lareira da cozinha”, que valeu ao Barroso a declaração de património agrícola mundial pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, em 2018.

A viagem de descoberta começou na calma aldeia de Vilarinho Seco, num dos pontos mais altos do concelho de Boticas e do Barroso, “considerada um dos exemplares mais bem preservados da arquitetura tradicional do Barroso, com casas de pedra rústica, muitas vezes com abrigos para animais no rés-do-chão, celeiros de granito junto a eles, e fontes de água públicas alinhadas nas ruas a cada poucas centenas de metros”. A cerca de 15 minutos de carro, o NYT chegou à localidade de Covas do Barroso, “rodeada por florestas de pinheiros e carvalhos” onde passa “um riacho intocado” e onde “cada casa tem um pomar cheio de videiras e diospireiros”. E também onde, na casa da família Coelho, a matança de três porcos servirá para ajudar a alimentar quem entrar pela porta durante o ano.

Continue a ler este artigo no Jornal de Notícias.

Comente este artigo
Anterior CoLAB FeedInov arranca em 2021 com nova Diretora-Geral
Próximo Webinar: A agricultura e a poluição do ambiente – Importância dos métodos analíticos na monitorização da contaminação ambiental - Luísa Barreiros (REQUIMTE/FFUP) - 26 de novembro

Artigos relacionados

Últimas

Estação de Avisos do Norte Transmontano alerta para oídio, míldio e flavescência dourada da vinha

A Estação de Avisos Agrícolas do Norte Transmontano publicou a sua Circular de Avisos nº 12 ( 2019), dedicada à vinha. E alerta para possíveis problemas com o oídio, […]

Sugeridas

Apoios do 2.º Pilar da PAC vão ter concursos separados para sequeiro e regadio

O Programa do XXII Governo Constitucional já está publicado. E, no que diz respeito à Política Agrícola Comum (PAC) pós-2020, o segundo Executivo liderado por António Costa, […]

Eventos

Webinar: 2.º Encontro Internacional do projecto BovINE – 2 de dezembro

This online meeting, hosted by Estonian partner Liivimaa Lihaveis, will take place virtually on the 2nd December 2021 […]