Reforma da PAC: Ministra da Agricultura confiante que negociações podem ser concluídas já em maio e apela ao espírito de compromisso do trílogo

Reforma da PAC: Ministra da Agricultura confiante que negociações podem ser concluídas já em maio e apela ao espírito de compromisso do trílogo

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, presidiu, esta segunda-feira, 26 de abril, em Bruxelas, ao Conselho Informal de Ministros da Agricultura.

A reunião, que se realizou por videoconferência, centrou-se na negociação da reforma da Política Agrícola Comum (PAC), tendo a Presidência Portuguesa apresentado uma proposta no âmbito do regulamento dos planos estratégicos para a arquitetura verde, em particular sobre a percentagem de dotação financeira dos pagamentos diretos para os regimes ecológicos.

Maria do Céu Antunes sublinhou a importância de se construir um equilíbrio, referindo-se à fixação da dotação mínima para os regimes ecológicos, que o Conselho quer que seja de 20%, enquanto que o Parlamento quer que seja de 30%.

A solução, apresentada pela Ministra, passa por uma abordagem progressiva, que começa nos 22 %, em 2023, e atinge os 25 % em 2025, contemplando um quadro de flexibilidades e um período de aprendizagem.

A Ministra assegurou que a Presidência Portuguesa terá em conta os pontos de vista discutidos hoje em relação à reforma da PAC, e que os levará ao próximo trílogo, que será presidido por si e que se realizará já na próxima sexta-feira (30).

“Ficarei em Bruxelas esta semana, para acompanhar, de forma muito próxima, todo este trabalho”, disse, acrescentando que nesta reunião se chegou a “pontos de vista partilhados sobre a arquitetura verde e isso é um excelente indicador do empenho e responsabilidade do Conselho.”

Maria do Céu Antunes reforçou que “este timing é muito importante para que seja dado um quadro claro para a definição dos Planos Estratégicos em cada Estado-membro”, lembrando que “este é um processo que exige compromisso e responsabilidade às três instituições: ao Conselho, ao Parlamento e à Comissão”. No final, mostrou-se otimista: “Saio desta reunião informal com a confiança de que estamos no bom caminho para o objetivo comum de alcançarmos o acordo interinstitucional no próximo mês”.

Presidência Portuguesa está atenta à situação do mercado na UE

Constituíram, ainda, pontos de agenda, a situação do mercado na União Europeia, bem como as questões relativas ao comércio internacional de produtos agrícolas.

Sobre o mercado, a Presidência Portuguesa está atenta à situação de pressão que alguns setores estão a atravessar, não só devido à pandemia, mas também em consequência das situações climatéricas adversas em algumas regiões.

Já em relação ao comércio internacional foi efetuado um debate estratégico sobre o rumo que deverão seguir as relações comerciais da União Europeia com países terceiros, bem como sobre outras políticas externas relevantes para a agricultura.

Este debate constituiu também um contributo para a elaboração de uma declaração conjunta com o Parlamento Europeu, sobre o comércio com países terceiros, estando esta declaração em discussão no âmbito da negociação da reforma da PAC.

Bem-estar animal também esteve em análise

Ainda durante a manhã, no Conselho Informal, a Comissão apresentou os resultados da avaliação da anterior estratégia para o bem-estar dos animais (2012-2015), tendo sido reconhecido que esta é uma questão da maior relevância a nível europeu.

Apesar da União Europeia ser a região com as regras mais rigorosas em termos de bem-estar animal, tendo sido assumido que a estratégia contribuiu para melhorar os conhecimentos e a partilha de boas práticas, bem como a aplicação da legislação na UE, reconheceu-se que os objetivos da estratégia não foram plenamente atingidos e que a maioria das questões identificadas em 2012 ainda se mantêm relevantes. Os Estados-membros agradeceram à Comissão a apresentação desta avaliação, reforçando que estas conclusões devem ser incorporadas no processo de revisão da legislação do bem-estar animal que a Comissão já anunciou no âmbito da estratégia “Do Prado ao Prato”.

O tema do bem-estar animal foi também abordado na perspetiva da rotulagem alimentar, a pedido da delegação alemã. As delegações enalteceram a proposta que se insere na perspetiva de melhorar a transparência da informação aos consumidores sobre os modos de produção dos animais, solicitando à Comissão que considere também esta perspetiva no âmbito da sua proposta de rotulagem das condições de bem-estar animal, também prevista na estratégia “Do Prado ao Prato”.

Nota enviada pelo Ministério da Agricultura.

Ministra da Agricultura confiante num acordo sobre nova PAC até fim de maio

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura confiante num acordo sobre nova PAC até fim de maio
Próximo "O necessário reconhecimento da Agricultura Familiar" - Alfredo Campos

Artigos relacionados

Sugeridas

CDS quer que Governo mantenha a Direção Geral de Alimentação e Veterinária e todas as suas funções sob tutela do Ministério da Agricultura

Num projeto de resolução entregue na Assembleia da República, os deputados do CDS recomendam ao Governo que reverta a sua decisão de desmantelamento da Direção Geral de […]

Eventos

LOURICOOP promove o seguro de rendimento da Batata junto dos seus associados – 7 de janeiro – Lourinhã

LOURICOOP promove, no próximo dia 7 de Janeiro, um encontro para a promoção do rendimento do seguro da batata. O esclarecimento será no auditório do Centro Cultural Dr. Afonso Rodrigues Pereira, na Lourinhã, às 18h. […]

Últimas

Ministra da Agricultura inaugura primeira feira digital do queijo DOP

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, inaugura, esta quarta-feira, dia 15 de abril, a primeira Feira Digital do Queijo DOP, em […]