Reforço de areia nas praias da Costa de Caparica vai custar 6,3 milhões de euros

Reforço de areia nas praias da Costa de Caparica vai custar 6,3 milhões de euros

O Ministério do Ambiente revelou esta sexta-feira que o reforço de um milhão de metros cúbicos de areia nas praias da Costa de Caparica, em Almada, no distrito de Setúbal, terá um investimento de 6,3 milhões de euros.

Em comunicado, a tutela indicou que a empreitada de alimentação artificial se estende desde a Costa de Caparica até à Cova do Vapor, utilizando “um milhão de metros cúbicos de areias retiradas do Canal da Barra Sul, na entrada do Estuário do Tejo”.

Segundo a mesma nota, o concurso para a intervenção será lançado no sábado e terá um custo total de 6,3 milhões de euros, dos quais 4,1 milhões serão suportados pela Agência Portuguesa do Ambiente, três milhões pelo fundo do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR) e 2,2 milhões pela Administração do Porto de Lisboa.

“A empreitada tem como objetivo providenciar maior proteção às pessoas e à propriedade contra os fenómenos de galgamento oceânico e, ainda, minimizar os efeitos negativos causados pelos temporais sobre essa linha de costa. Permite também proteger do ponto de vista ambiental e estratégico e aumentar a capacidade recreativa e balnear das praias”, lê-se na nota.

A intervenção abrange, assim, de acordo com o Ministério do Ambiente, 3,8 quilómetros de linha de costa, estando previsto que as obras se iniciem ainda este ano, com uma duração de 60 dias. O concurso será lançado no sábado, na praia de São João da Caparica.

A empreitada foi aprovada na quinta-feira, em Conselho de Ministros, mas já tinha sido anunciada em 27 de novembro de 2018, quando o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, visitou a praia de São João da Caparica. “Responsabilizei-me hoje [27 de novembro de 2018] por, em maio, começar o enchimento com areia das praias da Costa de Caparica. Vai ser um milhão de metros cúbicos [de areia], uma empreitada que vai custar aproximadamente cinco milhões de euros, financiada por fundos comunitários”, referiu na ocasião.

Também nesse dia, a Câmara Municipal de Almada assinou um acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente para a restauração do ecossistema dunar da praia de São João da Caparica, a estância balnear do concelho que mais erosão sofreu após as tempestades do inverno de 2017 e primavera de 2018. Nesta praia, segundo o ministro do Ambiente, a recuperação das dunas custará “cerca de 60 mil euros”.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Especialistas em escassez de água defendem tecnologias adaptadas às condições locais
Próximo Semana da Floresta e da Água da Lousã termina com o lançamento do audiolivro “Valorizar a Serra da Lousã”

Artigos relacionados

Últimas

Expobiomasa realiza-se em Setembro

Facebook
Twitter
Google+
Pinterest
WhatsApp


Após o sucesso da última edição de 2017 Expobiomasa reuniu em apenas 4 dias a todos os profissionais no mercado em expansão de biomassa: empresas de maquinaria florestal e indústrias de biocombustíveis sólidos e pellets, […]

Nacional

Bombeiros dos Açores recebem pela primeira vez formação no combate a incêndios florestais

O presidente do Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) afirmou que o curso de Incêndios Florestais – […]

Últimas

Novo diploma permite “fazer justiça” aos bombeiros municipais, diz Eduardo Cabrita

O ministro da Administração Interna considerou este sábado que o diploma promulgado na sexta-feira pelo Presidente da República permite “fazer justiça” […]