“Recomendamos adubar os eucaliptos, assim como se recomenda que os agricultores adubem as suas culturas”

“Recomendamos adubar os eucaliptos, assim como se recomenda que os agricultores adubem as suas culturas”

José Rafael é o orador das sessões de informação do Projecto Melhor Eucalipto sobre o tema da manutenção de povoamentos, onde se inclui a nutrição e a adubação. Nas suas apresentações, costuma comparar a produção de eucaliptos à produção agrícola. Saiba porquê.

1.Que conselhos dá a quem quer tirar o máximo de produtividade do seu eucaliptal?

Se vamos instalar um novo povoamento, devemos saber se esse terreno é indicado para a cultura do eucalipto, nomeadamente se o clima é adequado e se não estamos em solos calcários ou argilosos. Previamente, deve fazer a análise das terras para conhecer os solos. Depois, optar pela melhor preparação do terreno, de forma a preservar a matéria orgânica e a minimizar os riscos de erosão. Escolher a planta adequada e a quantidade de plantas por área para cada região. Se já está em manutenção deve utilizar as melhores técnicas e, com a melhor oportunidade possível, adubar e controlar a vegetação herbácea e arbustiva – para reduzir a concorrência com o eucalipto e a perigosidade de incêndio). Pode também consultar o site Projecto Melhor Eucalipto ou falar com os técnicos das empresas florestais ou das associações.

2. Como se pode saber qual é o melhor adubo para o terreno em específico?
Devemos fazer sempre o diagnóstico visual do estado nutricional dos povoamentos no local, mas a análise de terras é fundamental para sabermos com rigor quais as necessidades de adubação, nomeadamente em azoto, fósforo, potássio e cálcio. Em algumas regiões do país também devemos fazer a análise foliar para diagnosticar eventuais deficiências em boro.

3. Pode a produção florestal ser comparada à agricultura?
A cultura florestal é semelhante à produção agrícola no sentido em que estamos a cuidar que as plantas cresçam bem e saudáveis. Uma diferença fundamental para a cultura agrícola é que esta tem um momento conhecido de colheita anual pré-estabelecido, e na floresta não. A forma de decidir o momento do corte é outro. Por outro lado, o ciclo de colheita é mais longo e, como há reciclagem de nutrientes pela queda das folhas e pela degradação natural das raízes, existe menor necessidade de adubação e de mobilização do solo, além de que suporta solos mais pobres, usualmente não utilizados pela agricultura. A floresta de eucalipto proporciona uma boa conservação do solo e regularização dos regimes hídricos, principalmente se houver um mosaico com parcelas em diferentes idades.  A cultura do eucalipto convive em harmonia com as culturas agrícolas, florestais e silvopastorícia.

4. É verdade que o eucalipto pode estragar o solo?
O eucalipto é uma planta como qualquer outra, e há numerosos estudos que comprovam que o eucaliptal não degrada os solos. O importante é  manter o nível de fertilidade do solo –  e por isso é que recomendamos adubar os eucaliptos, assim como se recomenda que os agricultores adubem as suas culturas.

Comente este artigo
Anterior Associação Portuguesa de Engenharia Zootécnica organiza 11 seminários - 26 a 29 de Junho 2017
Próximo Printemps bio L'agriculture bio à l'honneur du 1er au 15 juin 2017

Artigos relacionados

Sugeridas

Revista AGROTEJO 2018 – Versão On-line

[Fonte: Agrotejo]
A Revista da Agrotejo, editada anualmente, tem sido um contributo de valor para o sector agrícola da região, […]

Comunicados

Crédito Agrícola ao lado do sector empresarial

O Crédito Agrícola lança uma nova campanha dirigida às empresas, da qual fazem parte um conjunto de soluções de financiamento, protecção e serviços especializados. […]

Sugeridas

CNA: Casa do Douro

Pela actual Assembleia da República, a CASA DO DOURO volta a ser uma Associação de Direito Público e com inscrição obrigatória dos seus Sócios históricos, os Vitivinicultores Durienses. […]