Rebanhos e uma marca verde para o futuro do Alto Minho

Rebanhos e uma marca verde para o futuro do Alto Minho

O antigo presidente da Câmara de Ponte de Lima elaborou um documento que podia ser uma estratégia para a região. Na Tarde TSF, Daniel Campelo sublinhou alguns detalhes.

O documento chama-se “Alto Minho, que futuro?” e tem a assinatura de Daniel Campelo.

Foi em tempos presidente da Câmara de Ponte de Lima, deputado do CDS e ainda passou pelo Governo, como secretário de Estado das Florestas.

É a olhar para a floresta e para a montanha que dedica muito espaço neste documento estratégico, que partilhou com os autarcas da região, em ano de eleições autárquicas.

Daniel Campelo entende que o Estado “não deve continuar a gastar milhões na indústria do fogo, a alugar ou comprar aviões”, e deve apoiar a criação de grandes rebanhos “que ajudam a diminuir os biocombustíveis florestais”.

O antigo autarca lembra que os apoios dados pela União Europeia à pastorícia deviam ser aumentados.

Mais rebanhos significam mais pastores e, acrescenta o também antigo deputado, significa ainda uma paisagem mais apelativa para a indústria do turismo natural na região.

Daniel Campelo defende a criação de uma marca única para a região: a Marca Verde Alto Minho.

“Seria uma forma”, diz o antigo autarca do CDS, “de responder às identidades específicas da região”, dentro da grande região de turismo do Norte.

No documento, defende-se ainda uma isenção de taxas municipais para agricultores de menores rendimentos, em vez dos subsídios que são pagos, e também a criação de um fundo intermunicipal de carbono.

A proposta estratégica de Daniel Campelo também passa por uma integração do Instituto Politécnico de Viana do Castelo na Universidade do Minho e pela abertura do porto de mar de Viana a navios de cruzeiro.

O documento, sublinha Daniel Campelo, já anda de mão em mão, entre personalidades dos dez concelhos do distrito.

Questionado sobre a possibilidade deste documento servir a algumas plataformas políticas, nas próximas eleições autárquicas, Daniel Campelo considera positivo e até desejável que isso aconteça.

O que está desde já afastado, garante o antigo autarca limiano, é que seja ele a protagonizar alguma dessas candidaturas.

Continue a ler este artigo na TSF.

Comente este artigo
Anterior Acaba de ser publicado o Boletim Informativo Nº 11 do PDR2020
Próximo Webinar: Comemoração do Dia Internacional das Florestas e Dia Mundial da Água - 22 de março

Artigos relacionados

Notícias apoios

Agricultura anuncia programa de 5 ME para fomentar consumo de produção local

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, anunciou, hoje, em Ponte de Lima, o lançamento de um programa para uma alimentação saudável, […]

Últimas

Agricultores do Mondego exigem conclusão da obra hidroagrícola em cinco anos

A Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra (Adaco) exigiu, hoje, a conclusão no prazo de cinco anos da obra hidroagrícola do Baixo Mondego, […]

Nacional

“Pode haver espécies que deixem de florir a determinada altura”

José Paulo Sousa, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) 
“Devido às alterações climáticas, a disponibilidade de recursos florais constitui um grave problema, […]