Quinta do Pôpa estreia-se na produção de vinho do Porto

Quinta do Pôpa estreia-se na produção de vinho do Porto

Quinta do Pôpa estreia-se na produção de vinho do Porto

Depois da chegada de um novo DOC Douro, o monocasta de Touriga Franca ‘Pôpa TF’, é tempo de os irmãos Stéphane e Vanessa Ferreira, proprietários da Quinta do Pôpa – situada junto à EN 222, em Adorigo, no concelho de Tabuaço – virarem a página e, agora sim, com o projecto consolidado e dez anos volvidos, se apresentarem também como produtores de vinho do Porto. 

Nada parece ser ao acaso. Depois de uma tentativa que não atingiu o patamar sonhado, chegam ao mercado com o “fruto mais apetecido”, um Porto de categoria Vintage. Da colheita de 2016 e oriundo de uma parcela das vinhas mais velhas da propriedade, apresenta-se sob a marca ‘Quinta do Pôpa’ e está reservado a apenas 2.750 garrafas de 750ml. Um Vintage “equilibrado e fresco, com excelente estrutura, fruta intensa, expressiva e muito pura. O ano [de 2016] oferece taninos que estão entre os mais refinados de sempre”, afirma João Menezes, enólogo da Quinta do Pôpa.

O ‘Quinta do Pôpa Porto Vintage 2016’ foi vinificado em lagares, com 50% de engaço e corte com pisa a pé. A fermentação alcoólica decorreu durante quatro dias, com controle de temperatura, seguindo-se a adição de aguardente em lagar e posterior desencuba. O mosto estagiou em cubas de inox.

Criado de filhos para pai, é um tentadora proposta para oferecer no Dia do Pai, a 19 de Março

“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.”. O excerto de “Mar Português”, do livro “Mensagem”, de Fernando Pessoa faz todo o sentido no contexto do projecto de vinhos Quinta do Pôpa. A verdade é que estamos perante um vinho de homenagem a José Ferreira (Zeca do Pôpa) – pai de Stéphane e Vanessa (conhecidos como os netos do Pôpa) –, o homem que conseguiu concretizar o sonho do seu pai. O [avô] Pôpa, filho ilegítimo de um nobre agricultor duriense, sempre acalentou o sonho de ter uma quinta no Douro, onde produziria vinho. Morreu antes de ver o seu filho e netos concretizarem o seu desejo e de o transformar num legado com pô(m)pa e circunstância.  

E porquê um vinho do Porto? “Porque queremos fazer (parte da) história.”, asseguram os irmãos Stéphane e Vanessa. A resposta não tardou face ao desafio constante de se produzir, na Quinta do Pôpa, o vinho que determina a identidade da mais antiga região demarcada do mundo: o Douro. “Desde o início do projeto, todos se questionaram porque não produzíamos vinho do Porto. Até nós! Mas cada (de)grau a seu tempo. Só poderíamos vir a declarar a produção de vinho do Porto com maturidade, do projeto e nossa, enquanto proprietários. Passados 10 anos, e após marcarmos o perfil dos vinhos de assinatura Pôpa, chegou a altura de avançarmos com o lançamento deste Porto da Quinta do Pôpa. E para ser, que seja um Vintage.”, acrescentam os netos do Pôpa.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior Área Demarcada para a Xylella fastidiosa foi redefinida após novas deteções
Próximo Espaço Visual convida Profª Eliana Barbosa para explicar agricultura sustentável

Artigos relacionados

Últimas

Governo estima investir cerca de 113 milhões de euros em projetos de regadio

O Governo estima investir, em 2020, cerca de 113 milhões de euros em projetos de regadio, mais 53 milhões de euros do que em 2019, […]

Últimas

Dinâmicas para a Inovação – Água e Ambiente – 20 de novembro – Oliveira do Hospital

O “Ciclo de Eventos – Dinâmicas para a Inovação” arrancou no mês passado e, no dia 20, terá lugar mais uma sessão no BLC3 […]

Últimas

Previsão de longo prazo – 18 nov. a 15 dez. 2019

Precipitação total com valores acima do normal […]