Quercus critica ordenamento florestal que privilegia plantação de eucaliptos

Quercus critica ordenamento florestal que privilegia plantação de eucaliptos

[Fonte: Sapo24] A Quercus denunciou hoje que os novos programas regionais de Ordenamento Florestal (PROF) privilegiam a plantação de eucalipto, que passa a estar previsto em 95% do território nacional.

João Branco aponta ainda outro problema: “Os PROF têm de ser vertidos nos Planos Diretores Municipais (PDM), porque a legislação assim o obriga, mas, na prática, vai tirar todo o poder de decisão às Câmaras Municipais na expansão do eucalipto no seu território”.

“E mesmo o próprio Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), porque depois como é que vão dar parecer negativo a uma plantação de eucaliptos, se no PROF e no PDM diz que é espécie a privilegiar”.

A Quercus, de acordo com João Branco, considera “um exagero que praticamente todos os locais do país fiquem como área em que o eucalipto é área a privilegiar”.

A associação ambientalista acrescenta, em comunicado, que os novos PROF, publicados em fevereiro, foram elaborados “com informação desatualizada e utilizaram uma metodologia com critérios desajustados, o que os impede de contribuir para um melhor ordenamento florestal”.

A Quercus salienta que, no acompanhamento a algumas comissões de acompanhamento de revisão dos PROF, alertou para “o abuso das propostas que privilegiavam os eucaliptais em muitas regiões de montanha e do interior, onde o eucalipto nem sequer se encontra adaptado em termos edafo-climáticos, dado ter pouca produtividade ou estar mais facilmente sujeito a pragas ou doenças”.

“O exemplo da proposta aprovada com eucalipto nas sub-regiões homogéneas da Torre e da Estrela, em área protegida do Parque Natural da Serra da Estrela, revelam a insensatez deste processo de planeamento”, refere.

O comunicado refere que, “também na sub-região homogénea Parque Nacional da Peneda-Gerês, o eucalipto é privilegiado no grupo I, enquanto a maioria das espécies folhosas autóctones se encontra no grupo II (menor privilégio), revelando uma aposta na produção de madeira para celulose e não uma floresta diversificada com espécies da nossa floresta”.

Comente este artigo
Anterior Jornadas Internacionais “O Aproveitamento Resineiro: Florestas com Futuro” em Proença-a-Nova
Próximo Comissão Europeia adota novas regras para circulação de drones

Artigos relacionados

Últimas

AJAP promove Seminário Jovem Empresário Rural em Alfândega da Fé

O Seminário Jovem Empresário Rural, com o mote “Cultivar ideias, dinamizar o espaço rural”, vai ter lugar na Casa da Cultura Mestre José […]

Dossiers

La Eurocámara aprueba las enmiendas de insularidad de la PAC propuestas por el PP

Biel Company, presidente del PP de Baleares, junto al comisario europeo de Agricultura, Phil Hogan (Fuente: archivo PP)
La comisión de Agricultura del Parlamento Europeo ha aprobado las enmiendas sobre insularidad que presentó […]