Quem vai escolher as prioridades da União Europeia?

Quem vai escolher as prioridades da União Europeia?

Esta tarde, os chefes de Estado e de Governo europeus vão reunir-se em Bruxelas para procurarem chegar a um acordo sobre o Orçamento Plurianual da União Europeia para 2021/2027. O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, apresentou uma nova proposta que revê a anterior apresentada pela presidência finlandesa do Conselho da UE.

O que está em causa neste orçamento, como aliás no debate de qualquer orçamento de Estado, é conciliar prioridades políticas com despesa, ou seja mobilizar os recursos necessários para os compromissos políticos. Trata-se de um exercício em que cada Estado-membro precisa de se libertar dos seus egoísmos nacionais. A história tem-nos mostrado que é possível compatibilizar interesses nacionais com interesses europeus.

Na perspetiva do Parlamento Europeu esta nova proposta, tal como está em cima da mesa, é inaceitável. Não tem em conta as posições preconizadas há muito pelo Parlamento Europeu. Não é coerente com a ambição e com os projetos para a Europa para os próximos sete anos: a transição para uma economia neutra em carbono; a transição para o digital; a valorização da dimensão social da Europa e o combate às desigualdades; a promoção do emprego; a segurança dos cidadãos; o papel da Europa como ator global num mundo com focos perturbadores de desregulação e numa economia globalizada.

Propõe o nível geral de 1.074% do Rendimento Nacional Bruto dos países e está apenas um pouco acima da proposta da presidência finlandesa (1,07% do RNB da UE) apresentada em dezembro. Em termos gerais, o documento do presidente Charles Michel propõe “apenas” 7,5 mil milhões de euros a mais que a proposta finlandesa, o que constitui exatamente o valor destinado ao Fundo de Transição Justa. Apesar de estarmos perante uma prioridade nova, estabelecida depois de apresentada a proposta inicial da Comissão Europeia em maio de 2018, não há dinheiro novo, conforme pedido pelo Parlamento Europeu e prometido pela Comissão.

Ao mesmo tempo, esta nova proposta reduz ainda mais dotações para programas essenciais para a Europa, como o Horizonte Europa para a investigação, o Asilo e o Fundo de Migração ou o Erasmus, um programa chave para os jovens. Por outro lado, a proposta redistribui valores dentro da coesão e nos fundos destinados à agricultura e desenvolvimento rural, que não respondem às expectativas dos chamados “Países Amigos da Coesão”.

No entanto, há que destacar a possibilidade agora reforçada de aumentar o financiamento da UE por via de recursos próprios que possam complementar a contribuição dos Estados Membros e não penalizem os cidadãos. Estamos a falar de recursos próprios que decorrem de valor gerado pela pertença ao mercado interno e coerentes com objetivos políticos, designadamente no que toca às alterações climáticas. Trata-se de uma estratégia fundamental reivindicada há muito pelo Parlamento Europeu.

Este Conselho Europeu realiza-se num momento em que já começa a ser tarde para aprovar o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) da União Europeia para 2021/2027. O QFP em curso termina a 31 de dezembro de 2020 e temos de ter um novo orçamento em vigor no dia 1 de janeiro de 2021. É isto que os europeus esperam de nós. Mas não podemos aprovar um orçamento a qualquer preço que ponha em causa o projeto europeu. Foi para prevenir este risco, que pedimos, já em outubro do ano passado, um plano de contingência à Comissão Europeia.

Não queremos uma crise institucional, mas o Parlamento Europeu, como tem vindo a reafirmar, só está disposto a dar o seu consentimento, no quadro do poder de que dispõe em matéria orçamental, se tiver um orçamento à altura das prioridades políticas da UE e tiver um acordo político sobre o aumento do financiamento da UE por via de novos recursos próprios.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Plants can detect insect attacks by 'sniffing' each other's aromas
Próximo Líderes europeus arrancam 'maratona' negocial sobre orçamento pós-2020

Artigos relacionados

Últimas

Governo avança com linhas de crédito até três mil milhões de euros para as empresas

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, anunciou um conjunto de linhas de crédito disponibilizadas através do sistema bancário com garantia do Estado que vão alavancar três mil milhões de euros para as empresas mais afetadas pela (quase) paralisação da economia devido à […]

Nacional

Portugal Fresh: Inscrições abertas para a Fruit Attraction

A Portugal Fresh está a preparar a sua participação na próxima edição da Fruit Attraction em Madrid, […]

Comunicados

A Fruit Attraction 2019 afiança-se como o evento de referência mundial para a comercialização de frutas e hortaliças

A Fruit Attraction 2019 encerrou as portas da sua 11ª edição com a participação de 89.390 profissionais de 127 países, o que representa um crescimento de 12% em relação ao ano anterior […]