Que profissionais pretendemos para o sector florestal

Que profissionais pretendemos para o sector florestal

A ANEFA – Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente foi hoje surpreendida pela publicação do Despacho 6559/2020 de 23 de junho publicado pelo Gabinete do Ministro do Ambiente e Ação Climática que nos Projetos abrangidos pelos apoios do Fundo Ambiental estabelece que a Gestão de Combustível em Redes Secundárias seja objeto de um protocolo entre o ICNF e a AICCOPN – Associação dos Industriais das Construção Civil e Obras Públicas, no valor de 2,2 milhões de euros para 2020.

A primeira pergunta que nos surgiu foi porquê com essa Associação e não com a ANEFA, que é a única associação de âmbito nacional que representa os prestadores de serviços ao setor florestal, que em sede de concertação social negoceia o contrato coletivo de trabalho para o setor e estabelece com outras entidades as necessidades de formação de quem nele trabalha? Afinal, a rede secundária de faixas de gestão de combustível não pertence à rede de defesa da floresta contra incêndios, tal como é elencado na Lei nº76/2017, que Altera o Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios?

Depois do que aconteceu em Aljezur, há menos de 5 dias, onde o amadorismo na limpeza de mato deu origem aos trágicos acontecimentos que se seguiram, como podem os nossos governantes entregar a limpeza de áreas sensíveis como é o caso da rede secundária de gestão de combustíveis, que ladeia as principais infraestruturas ao nível dos municípios e outras infraestruturas públicas a empresas que não estão nem habituadas, nem equipadas nem formadas profissionalmente para realizar este tipo de trabalhos?

Depois de todo o esforço que a ANEFA tem realizado, no sentido de fomentar o desenvolvimento de um tecido empresarial profissional, devidamente equipado para a realização destas atividades, qual a razão que leva os nossos governantes a entregar operações de âmbito florestal a empresas não florestais? Começamos finalmente a entender porque é que a regulamentação da atividade das empresas do setor florestal e agrícola, através da criação de um alvará, enquanto projeto apoiado pelos diferentes agentes e instituições do setor nunca foi aprovado pelos nossos governantes, mesmo tendo o apoio da extinta Secretaria de Estado das Florestas. Enquanto associação representante das empresas do setor tudo faremos para impedir a concretização do referido protocolo, já que não se pode por um lado exigir uma gestão profissional das florestas e por outro entregar a realização das operações a empresas que nada têm a ver com o setor.

Comente este artigo
Anterior PR promulga Programa de Transformação da Paisagem para zonas com elevado risco de fogos
Próximo Rural Inspiration Awards: vencedores anunciados hoje

Artigos relacionados

Comunicados

Organizações agrícolas europeias criticam acordo da União Europeia com Mercosul

O Copa-Cogeca criticou o acordo comercial alcançado nos últimos dias entre a União Europeia e o Mercosul, acusando a Comissão – que se encontra de saída – de comprometer o futuro de sectores chave da agricultura europeia. […]

Dossiers

UE/Presidência: Ministros da Agricultura debatem reforma da PAC com vista a acordo em maio

Os ministros da Agricultura da União Europeia (UE) reúnem-se na segunda e terça-feira em Bruxelas num conselho dominado pelo debate da reforma da Política Agrícola Comum (PAC) […]

Últimas

The CAP Transitional Regulation and Next Generation EU funds

The European Parliament approved last Tuesday evening the common position on the CAP Transitional Regulation previously agreed with the Council. Once the Council gives its formal approval, it will take effect from 1 January 2021. […]