Quase tudo o que vocês comem é produzido pela agricultura intensiva

Quase tudo o que vocês comem é produzido pela agricultura intensiva

Aposto que ao ler o título muitos de vocês engoliram em seco, sentiram um arrepio ou algum tipo de mal estar. É um paradoxo do nosso tempo. A população portuguesa, tal como toda a população do mundo ocidental, vocês, os 95% que não são agricultores, têm uma imagem negativa da agricultura intensiva que vos alimenta. No entanto, quase toda a comida que podem comprar nos supermercados, na mercearia do bairro ou na banca do mercado, é fruto da agricultura intensiva. Carne, leite, ovos, frutas e legumes. Foi a agricultura dos adubos químicos e dos pesticidas de síntese que matou a fome no mundo ocidental e matou a teoria catastrofista do Malthus que dizia ser impossível alimentar a população que estava a crescer.

É pelo facto de conseguirmos produzir comida para vós que vocês podem fazer outras tarefas. Com agricultura de subsistência cada família produz a sua comida e passa boa parte do dia a fazer isso.

É graças a conseguirmos produzir comida muito mais barata, em relação ao passado, que vocês têm rendimento livre para gastar na cultura, nas férias, no conforto da casa, em roupa melhor ou num carro melhor.

À agricultura intensiva “má” opõem-se a agricultura extensiva “boa”? Não. Já disse e volto a repetir: para fazer agricultura extensiva é preciso ter espaço para “estender”. Podemos fazer isso em Trás-os-Montes ou no Alentejo, não podemos fazer isso no minifúndio do Minho ou da Madeira. Com 8.000 m2 de hortícolas em estufa, um agricultor da Póvoa consegue manter a sua família e produzir a salada para a mesa de muitas famílias; Para ser eficiente, especializou-se em algumas culturas, para as quais tem equipamentos que substituem a mão de obra de antigamente. O mesmo aconteceu a mim quando escolhi produzir milho e erva para alimentar as vacas que produzem leite. Os nossos avós faziam “policultura” porque tinham famílias numerosas a trabalhar de graça e “moços de lavoura” muito baratos. Muitos eram os vossos pais e avós, que emigraram para a cidade ou para o estrangeiro à procura de uma vida melhor. Aposto que a encontraram. Claro que têm saudades de certas coisas, mas se fosse melhor no campo e na agricultura tinham voltado, ou pelo menos tentado. Nós tentamos sempre mudar para melhor.

É muito bonito pensar num amor e numa cabana no meio do campo, mas depois não há internet, água canalizada, saneamento ,ou pior, não há emprego, não há maternidade, não há escola, o hospital está a uma eternidade de distância e faltam muitas coisas que achamos básicas para um mínimo de qualidade de vida.

Alguns agricultores resistiram a mudar e continuaram a fazer a sua agricultura de subsistência, e fazem muito bem, porque se mantém ocupados, mantém a terra cultivada, complementam a magra reforma e têm uns miminhos para quando os filhos e netos vão visitar. Vão visitar. Não ficaram lá nem lhes pensam suceder, porque essa agricultura é muito bonita, mas não dá para sobreviver com um rendimento, vá lá, “classe média”. Nós, os que ficamos na terra a produzir a carne, o leite, os ovos, a fruta, as hortícolas ou o algodão da vossa roupa, fomos os que aceitamos usar máquinas, adubos, pesticidas e todas as coisas que fazem parte da agricultura moderna, tão moderna como o vosso carro, o vosso telemóvel, as vossas máquinas de lavar roupa, louça e os detergentes que colocam lá dentro.

Não quer dizer que tenhamos feito tudo certo. Quem conduz na estrada, umas vezes acelera, outras vezes trava, vira para a esquerda, vira para a direita. Em caminhos de cabras vai devagar, em autoestrada acelera. Adapta-se às condições e vai aprendendo. Como os agricultores, uns no modelo extensivo, outros no intensivo. Cada um procurando adaptar-se às condições locais e aos meios disponíveis, mas todos trabalhando para vos alimentar.

#carlosnevesagricultor

O artigo foi publicado originalmente em Carlos Neves Agricultor.

Comente este artigo
Anterior Portugal leva 75 produtores de vinho à estreia da Vinexpo Paris
Próximo ICNF quer lançar aplicação digital para acompanhar recuperação do lince ibérico

Artigos relacionados

Nacional

“A Coopval é responsável por mais de 20% da produção nacional de pera Rocha”

Aristides Sécio, presidente da direção da Cooperativa Agrícola dos Fruticultores do Cadaval (Coopval)
Claro que todos os mercados são importantes mas Portugal é […]

Últimas

Mais de 300 operacionais e 12 aeronaves combatem chamas em Alvaiázere

Mais de 300 operacionais e 12 aeronaves estão a combater um fogo que deflagrou em Alvaiázere, no distrito de Leiria, não estando habitações em risco, […]

Nacional

Reconversão da vinha ganha novo concurso de 50 milhões

A reconversão e reestruturação da vinha vai ser objeto de um novo concurso no valor de 50 milhões de euros, a lançar no terceiro trimestre deste ano, […]