Quarentena nos EUA deixa milhões de litros de cerveja fora de prazo

Quarentena nos EUA deixa milhões de litros de cerveja fora de prazo

Em março, mesmo antes das quarentenas, cerca de 38 milhões de litros de cerveja mantidos pelos retalhistas já tinham passado do prazo de validade, segundo estimativas da associação dos vendedores de cerveja. Com milhares de barris agora devolvidos todos os dias aos  distribuidores, a Vanguard Renewables em Wellesley, Massachusetts, está entre as empresas que procuram transformar a bebida em gás natural para geração de eletricidade. Outras usarão a cerveja para fabricar álcool gel, mas boa parte da cerveja será simplesmente decantada e descartada.

“Este é um tsunami de barris”, disse John Hanselman, diretor-presidente da Vanguard, que receberá cerca de 227 mil litros por semana para alimentar microrganismos com cerveja fora de prazo em biodigestores que liberam metano, o principal componente do gás natural.

Lidar com o desperdício de cerveja é apenas um dos muitos efeitos imprevisíveis das quarentenas que fecharam parte da economia global.

A dor de cabeça do setor de cervejas vai além da perda de receita, com desafios como encontrar maneiras ambientalmente seguras de descartar a bebida e tentar impedir o roubo dos barris, administrando uma cadeia de fornecimentos que não estava preparada para um recall sem precedentes. A Molson Coors Beverage oferece “programas de alívio de barris” para reembolsar bares pela cerveja vencida.

“Temos uma cadeia de fornecimentos inteira, de fabricantes de cerveja a distribuidores e retalhistas, todos com cerveja em risco”, disse Lester Jones, economista-chefe da NBWA em Alexandria, Virgínia.

As perdas podem somar entre 800 milhões a mil milhões de dólares incluindo todos os segmentos do setor nos EUA, disse Jones.

Para o setor agrícola, a procura global por malte deve cair 2 milhões de toneladas nos próximos 12 a 24 meses, disse Andries de Groen, diretor da Evergrain, a unidade de cevada da alemã BayWa. O volume representa pouco menos de 10% da procura global.

“Terá um grande impacto”, disse Groen por telefone. “Os agricultores já colheram ou plantaram para esta temporada, pelo que parte dessa cevada para malte terá que ser utilizada para alimentar animais. Isso reduzirá o prémio da cevada para malte em relação à ração daqui para a frente em lugares como Europa, Argentina e Austrália.”

Continue a ler este artigo no Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Os Verdes Recomendam ao Governo que Potencie a Biomassa Florestal
Próximo Previsão para a semana 21 – 27 Junho

Artigos relacionados

Últimas

Coronavírus: um convite à mudança de hábitos? – Marisa Costa

O país e o mundo jamais serão o mesmo. Entramos numa nova era: o antes e o depois do COVID-19. Ninguém tem dúvidas do impacto de que este ser […]

Últimas

IP Viseu promove a participação política e cívica de mulheres agricultoras

O papel das mulheres nas áreas rurais e na agricultura é de enorme importância pela sua capacidade de inovação e diversidade de atividades. […]

Feiras e mercados

Ministério da Agricultura defende que feiras virtuais devem continuar pós pandemia

A ministra da Agricultura defendeu hoje, durante a abertura da Festa do Queijo Serra da Estrela de Oliveira do Hospital, que as feiras de produtos virtuais devem continuar, mesmo […]