Quantidade de pinhas de pinheiro-manso apreendidas quadruplica face a 2018

Quantidade de pinhas de pinheiro-manso apreendidas quadruplica face a 2018

A apanha da pinha de pinheiro-manso, ainda que esteja caída no chão, está interditada fora do período de 01 de Dezembro a 31 de Março de 2020. Coima que pode atingir os 3.500 euros.

Mais de 4.000 quilogramas de pinhas de pinheiro-manso foram apreendidos este ano, até 28 de Novembro, quase quatro vez mais do que a quantidade confiscada em 2018, avançou este domingo a GNR.

Nos primeiros 11 meses deste ano, foram apreendidos 4.195 kg de pinhas de pinheiro-manso, o que resultou em cinco contra-ordenações e cinco pessoas identificadas, indicou esta força de segurança, em resposta à agência Lusa.

A quantidade já apreendida durante este ano representa quase o quádruplo dos 1.123 kg de pinhas confiscados no total de 2018, segundo os dados da GNR.

De acordo com a legislação em vigor, a colheita de pinhas de pinheiro-manso “pinus pinea”, uma espécie florestal que permite múltiplas utilizações, das quais a produção de pinhão é a mais valorizada, é proibida fora do período de 01 de Dezembro a 31 de Março de 2020.

Apelidado de “ouro branco” das florestas, o miolo do pinhão no mercado nacional tem oscilado de preço, nos últimos anos, entre os 79 euros/kg e os 120 euros/kg.

“A apanha da pinha de pinheiro-manso, ainda que esteja caída no chão, está interditada por se encontrar em época de defeso, salvaguardando assim o crescimento e desenvolvimento da pinha e do pinhão e evitando a colheita da semente com deficiente faculdade germinativa e mal amadurecida”, informou a GNR, acrescentando que um auto de contra-ordenação por infracções neste âmbito corresponde a “uma coima que pode atingir os 3.500 euros”.

A Lusa questionou a GNR sobre o valor total das coimas e os distritos em que se registaram as ocorrências, mas não obteve resposta.

Depois da contabilização dos dados até 28 de Novembro deste ano, a GNR deteve, no dia 5 de Dezembro, dois homens, com 19 e 46 anos, por furto de pinha de pinheiro-manso “pinus pinea”, em Sines, no distrito de Setúbal, num terreno alheio e sem consentimento do proprietário, o que culminou na apreensão de 132 kg de pinha e diversos utensílios para apanha da mesma, como luvas, sacos e varas.

Em 2018, foram confiscados 1.123 kg de pinhas de pinheiro-manso, registando-se sete crimes e três contra-ordenações, com três pessoas identificadas e 11 detidos. “O crime mais verificado é o furto e a contra-ordenação mais frequente é a apanha de pinha fora do período autorizado para o efeito”, apontou a GNR.

Por norma, a ocorrência de crime diz respeito a furto, enquanto a contra-ordenação se refere à apanha fora do período estabelecido.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior Incêndios: Rebanho de cabras ajuda casal a refazer a vida após fogos de 2017
Próximo Ação de esclarecimento sobre operações financiadas do PDR2020 e MAR2020 - 13 de dezembro - Faro

Artigos relacionados

Cotações ES

El precio de la mandarina alcanza su nivel más bajo en Valencia


Semana sin cambios en las cotizaciones tanto en mandarina como naranja, ya que según la Lonja de Valencia esta semana ha aumentado el ritmo de recolección pero las compras han seguido pausadas. […]

Últimas

Comissão Nacional de Combate ao desperdício Alimentar no Dia da Alimentação

No Dia da Alimentação, 16 de outubro, a Comissão Nacional de Combate ao desperdício Alimentar esteve envolvida em várias iniciativas.
Em Alcobaça o IAPMEI promoveu mais um “Dia do Conhecimento”, […]

Nacional

Comissão Europeia não renova aprovação da substância activa clorprofame

Entra em vigor a 8 de Julho o Regulamento de Execução (UE) 2019/989 da Comissão, de 17 de Junho de 2019, […]