Quando a agricultura é a opção

Quando a agricultura é a opção

Margarida Rossa escolheu ser agricultora e ficar no Ladoeiro, em Idanha-a-Nova, terra onde nasceu: “Esta é a vida que queremos ter porque é a nossa paixão”, justifica. Produz totalmente em modo biológico e salienta que “esta região tem um clima fabuloso para hortícolas, com calor e muita disponibilidade de água”. Começou em 2015 e vai aumentar área, com aromáticas e pomares de macieiras e limoeiros. Vende a produção através da Hortas D’Idanha mas também diretamente na região.

A família de Margarida Rossa é da região e ainda vive no Ladoeiro, sempre ligada à agricultura: “O meu pai produzia tabaco mas quando isso acabou, ficou só com as ovelhas, produção de forragem e algumas culturas anuais”. Assim, Margarida e um dos irmãos, que também se dedica à terra, alugaram terrenos ao pai. Margarida tirou curso na área agrícola e dava formação a outros e “adorei trabalhar com plantas”, num viveiro, conta-nos, por isso decidiu começar a produzir.

Começou pela famosa melancia do Ladoeiro (quando estivemos na exploração estava-se já a preparar o festival anual da freguesia dedicado a este fruto) mas plantou também melão, meloa, curgete, pepino, beringela e abóbora butternut e garante que “dá-se tudo muito bem aqui”.

Melancia

Este ano avançou também para a plantação de ervas aromáticas, igualmente em modo de produção biológico, num terreno perto, “onde temos um hectare e meio de uma vinha velha, com castas tintas e brancas, de que produzimos vinho só para consumo da família”.

Escolheu ser agricultora, com o marido, e ficar no Ladoeiro, em Idanha-a-Nova, onde nasceu: “Esta é a vida que queremos ter porque a agricultura é a nossa paixão”. Produz totalmente em modo biológico e salienta que “esta região tem um clima fabuloso para hortícolas, com calor e muita disponibilidade de água”.

Diversificar as culturas

Falando da opção pelas aromáticas, a jovem agricultora explica à VIDA RURAL que “mandámos analisar este terreno ao pé da vinha e não tem qualquer resíduo de pesticida, uma vez que nunca lá foi plantada nada, por isso podemos saltar o período de transição para o biológico”. Assim, avançou para as aromáticas, “para diversificar dos hortofrutícolas. Vamos ter Lúcia Lima, Hortelã-Pimenta, Cidreira, Alfazema e uma faixa de Tomilho Limão, mas também Aloé-Vera e Equinácia, que ajuda a aumentar o sistema imunitário”. Instalaram uma bomba para tirar água do furo e rega gota-a-gota, “mas também por aspersão porque temos de manter as plantas frescas senão não resistem a este calor. Agora é andar sempre em cima, insistir, para ver se as plantas conseguem resistir”.

Já tem secador para as aromáticas porque vai aproveitar “o secador que o meu pai já tinha para o tabaco”, afirma a agricultora.

Além dos 2,5 hectares onde tem os hortofrutícolas e do hectare de aromáticas, Margarida Rossa conta-nos que vai também alugar mais 12 hectares ao pai “para instalar pomares de macieiras e limoeiros. Já estamos a preparar os terrenos e comprámos as plantas num viveiro nacional, e isso é o mais caro, as plantas são muito caras”, lamenta, acrescentando que “vamos fazer a plantação das macieiras em novembro e dos limoeiros na primavera do próximo ano”.

Margarida diz que “aqui os terrenos são essencialmente argilosos, embora ali onde temos as aromáticas seja mais fraco, e a água que usamos para a rega das culturas vem de três furos e da Barragem de Idanha-a-Nova”.

Este ano não foi bom para a melancia do Ladoeiro – doce e sumarenta – porque houve noites muito frias, reconhece a agricultora, adiantando: “E a melancia é uma cultura muito especial, tem de ser colhida no ponto”.

plantas aromáticas

Quase biodinâmico

Margarida explica que só a opção por agricultura biológica lhe fazia sentido e admite que vai até um pouco mais além, porque “o que fazemos é quase biodinâmico, porque aplicamos muitos produtos mesmo naturais” e exemplifica: “Para evitar fungos, como o míldio e o oídio usamos uma diluição de um litro de leite para dez litros de água – neste caso de ovelha porque é o que temos, mas pode ser qualquer leite –, e pulverizamos as plantas”.

Também usa “uma diluição de sabão azul e branco em água para prevenir o ácaro da melancia, que é muito agressivo, pois pode destruir a cultura numa semana”. O terreno onde se coloca melancia tem igualmente de ser bem estrumado, com antecedência, e “fazemos uma rotação de cinco em cinco anos, para não ter de desinfetar o solo, e assim deixá-lo recompor-se”, explica a agricultora, adiantando que “pomos também adubo biológico hidrossolúvel, com os principais macronutrientes, a meio da cultura”. Todavia, apesar de todos estes cuidados, Margarida Rossa não está a vender a sua melancia como biológica, porque “o mercado ainda não valoriza”.

As telas que usa também são especiais, assegura a produtora: “a dos hortícolas é biodegradável, feita à base de amido de milho e a das aromáticas rasga-se como papel e encomendámos diretamente do Canadá”.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Projeto PlaCarvões vence Prémio Economia Circular
Próximo Censo do cortiçol-de-barriga-preta

Artigos relacionados

Últimas

Exportações agroalimentares pesam quase tanto quanto as do calçado e têxtil, diz António Costa

O primeiro-ministro disse este domingo, em Dusseldorf, na Alemanha, que as exportações do setor agroalimentar, que estão atualmente em cerca de sete mil milhões de euros, […]

Últimas

“Vinha e vinho, turismo e património cultural nos territórios dos GAL”. Colóquio gratuito na FNA 2019

A Federação Minha Terra vai realizar o colóquio “Vinha e vinho, turismo e património cultural nos territórios dos GAL” […]

Nacional

Mais de 500 bombeiros combatem chamas em Tomar. Um bombeiro ferido sem gravidade

Um incêndio florestal deflagrou este sábado, pelas 16h10, em Tomar, no distrito de Santarém, mobilizando mais de 500 bombeiros, apoiados por 147 veículos, […]