PSD questiona Governo sobre situação no Perímetro do Mira

PSD questiona Governo sobre situação no Perímetro do Mira

O PSD voltou a questionar, na Assembleia da República, o ministro das Infra-estruturas e da Habitação sobre o Perímetro de Rega do Mira (PRM) e a resolução que o Conselho de Ministros aprovou em Outubro relativa ao mesmo.
Durante uma audição de Pedro Nuno Santos no Parlamento, a deputada social-democrata Filipa Roseta apresentou uma série de questões que, refere o PSD em comunicado, se espera que “contribuam para que as entidades responsáveis tomem as medidas necessárias para que finalmente a situação que se vive no concelho seja controlada”.
“É necessário e urgente que quem cá vive e trabalha permanentemente ou temporariamente e quem nos visita tenha a qualidade de vida a que tem direito, com serviços públicos disponíveis e acessíveis para todos”, frisa o PSD no mesmo comunicado.
As questões apresentadas por Filipa Roseta surgem depois de, em Novembro de 2019, o PSD já ter questionado o Governo sobre a resolução para o PRM, nomeadamente se considerava “a acomodação de quatro adultos por quarto com 13,70m2 como ‘condições dignas’ e adequadas de habitabilidade” e se se estavam “a ‘criar soluções de alojamento integradas na paisagem’ quando se prevê a construção de campos de contentores em área agrícola que podem ascender a 1.500m2 de construção”.
Na altura, o PSD questionou ainda o prazo de 10 anos de vigência da resolução não iria “promover a perenidade destas unidades de contentores na paisagem agrícola” e se “sendo o desafio de alojar trabalhadores agrícolas sazonais comum a outras zonas do país”, a resolução não abriria “caminho a que outras zonas venham pedir o mesmo tratamento excepcional, permitindo a construção de unidades de contentores para habitação em zonas agrícolas por todo o país”.
Já em Dezembro, os deputados Filipa Roseta e Nuno Carvalho deslocaram-se ao concelho de Odemira para reunir com representantes da empresa Lusomorango e visitar as soluções de habitação para trabalhadores agrícolas já implementadas, numa visita em que participaram também membros da Concelhia de Odemira do PSD e o deputado municipal Arménio Simão.
“Da reunião citada concluiu-se que é do interesse de todos encontrar a melhor solução para a habitação e integração social dos trabalhadores agrícolas. Este processo de integração deverá ter o menor impacto possível na vida dos habitantes do concelho e que recorrem diariamente aos serviços públicos locais, nomeadamente, de Saúde, Finanças, Segurança Social, Educação e Segurança, entre outros”, refere o PSD no comunicado.
Os sociais-democratas acrescentam ainda que esta solução “só acontecerá com a coordenação efectiva de todas as entidades responsáveis, ao contrário do que aconteceu até ao momento”. “Nem o Governo nem a Câmara de Odemira acautelaram os impactos que a migração teria no nosso concelho. Perante a visão de que a agricultura em Odemira tinha que evoluir, não se delineou uma estratégia para o fazer de uma forma socialmente sustentável”, conclui o PSD.

O artigo foi publicado originalmente em Jornal Sudoeste.

Comente este artigo
Anterior Deputados do PS sugerem observatório no Perímetro do Mira
Próximo Herdade do Freixo do Meio "beneficiou de cerca de 20% de apoios comunitários, no entanto, os subsídios prejudicam-nos bastante mais do que nos ajudam", diz coordenador

Artigos relacionados

Últimas

Chamas deflagram em zona florestal junto à A29 em Santa Maria da Feira

Um incêndio está a consumir uma zona de povoamento florestal este domingo, junto ao acesso de Santa Maria da Feira à […]

Nacional

Mais de 410 homens e 13 meios aéreos combatem incêndio em Pampilhosa da Serra

Pelo menos 345 operacionais apoiados por 11 meios aéreos e 93 viaturas estavam, pelas 16h30 desta terça-feira, a combater um incêndio em Pampilhosa da Serra, […]