PSD critica Governo por quebra no combate à vespa das galhas do castanheiro

PSD critica Governo por quebra no combate à vespa das galhas do castanheiro

PSD criticou a quebra nas ações do plano nacional de combate à vespa. Apenas foram feitas 617 das 1.057 largadas do parasitóide que destrói a vespa previstas para 2020, devido à pandemia, diz Governo.

O PSD criticou esta sexta-feira o Governo pela quebra nas ações do plano nacional de combate à vespa das galhas do castanheiro, justificada com os condicionalismos do estado de emergência.

O grupo parlamentar do PSD questionou, na Assembleia da República, o Ministério da Agricultura sobre a matéria e revelou esta sexta-feira a resposta do Governo, que dá conta de que do total de 1.057 largadas do parasitóide que destrói a vespa prevista para 2020, foram realizadas 617, das quais 500 na zona norte.

A região de Trás-os-Montes concentra 80% da produção nacional de castanha e nos últimos anos os soutos têm sido atingidos pela praga da vespa das galhas do castanheiro, que seca os ramos das árvores e põe em causa a produção. A luta biológica ocorre na primavera, que este ano coincidiu com o estado de emergência, decretado devido à pandemia de Covid-19.

Na resposta aos deputados do PSD, o Ministério da Agricultura esclarece que desde 2015 que é usado o inseto parasitóide no controlo da praga e que no ano de 2020, devido à declaração do estado de emergência, o plano que previa as 1.057 largadas foi ajustado para 617.

O PSD “estranha a justificação apresentada para uma diminuição tão acentuada (42%) destas ações do plano e lamenta a aparente falta de empenho por parte do Ministério da Agricultura no combate à vespa das galhas do castanheiro”.

“Perante as respostas apresentadas, o PSD vê as suas preocupações com a sanidade dos castanheiros nacionais acrescidas”, refere em comunicado, acrescentando que “irá continuar a denunciar os atrasos e faltas de apoios no combate à vespa das galhas do castanheiro”.

Os sociais-democratas destacam que as consequências da praga para esta “fileira em risco e crucial na economia local de Trás-os-Montes” e prometem questionar novamente a ministra da Agricultura sobre o assunto na audição prevista para 14 de julho no parlamento.

O PSD refere ainda que, na resposta por escrito, o Ministério da Agricultura ignorou outra pergunta que era feita sobre o prazo de análise das candidaturas regionais feitas ao Programa de Desenvolvimento Regional (PDR) 2020 para custear o combate à praga.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior New update of import duties for maize, sorghum and rye
Próximo Uma reflexão sobre o toiro bravo - Joaquim Grave

Artigos relacionados

Nacional

Pão Alentejano a caminho da Certificação – 6 de Dezembro 2017 – Beja

Vai decorrer em Beja, no auditório do Instituto Politécnico, no próximo dia 6 de Dezembro, o Seminário “Da Qualificação à Certificação do Pão Alentejano”, […]

Internacional

Newly identified protein could help safeguard plants against climate change

[Fonte: GLP] A team of scientists from the United States announced that they have identified the protein in plants responsible for its cellular defense against excessive light, […]

Nacional

CIM do Tâmega e Sousa quer constituir-se como bio-região

A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) está a trabalhar no sentido de tornar este território numa bio-região e a criar condições para a sua integração na Rede Internacional de Bio-regiões, […]