Protoloco de colaboração técnico-científica dinamiza Posto Apícola

Protoloco de colaboração técnico-científica dinamiza Posto Apícola

A Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP) e o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) assinam, a 13 de Julho, pelas 10h, na sede da CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal, em Lisboa, um protocolo de colaboração técnico-científica para revitalização do Posto Apícola, estrutura de investigação, experimentação, formação e divulgação em Apicultura, situada na Tapada da Ajuda, em Lisboa.

O protocolo tem como objetivos: dinamizar estudos, atividades e projetos no espaço do Posto Apícola, que é propriedade do INIAV; aproximar o Posto da comunidade e dos operadores da fileira apícola, na ótica da promoção do intercâmbio e transmissão de conhecimentos, contribuindo para a afirmação da sua relevância no setor apícola nacional.

O Posto Central de Fomento Apícola foi criado pelo Decreto nº20417 de 21 de Outubro de 1931 (Lei do Fomento Apícola) pelo ministro Linhares de Lima, sendo as funções alteradas pelo Decreto-lei nº 27207 de 16 de Novembro de 1936, tendo tido um papel preponderante na modernização da apicultura mobilista. É um local com um valor histórico importante e tem infraestruturas que poderão ser postas ao serviço da investigação em apicultura, nomeadamente um apiário experimental, uma melaria, oficinas de apoio e um laboratório.

O apiário experimental e escola apresenta-se em socalcos, envolvido por grande diversidade de plantas melíferas. Atualmente tem 50 colónias instaladas em colmeias tipo lusitana. A celebração do presente protocolo surge num contexto em que o setor apícola nacional apresenta uma dinâmica de crescimento e profissionalização nunca antes alcançada. Dados da Comissão Europeia, revelam que Portugal atingiu um número recorde de 700.000 colmeias, em 2016, com um crescimento de 23,5%, embora se mantenha a tendência de diminuição do nº de explorações (10.698) dos últimos anos, um sinal claro de que os apicultores portugueses estão mais profissionais e especializados.
 

Sobre a FNAP
A Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP), fundada a 10 de Julho de 1996, é uma organização sócio-profissional com 45 organizações de apicultores filiadas, entre cooperativas, associações e agrupamentos de produtores, oriundas de todo o país e regiões autónomas. A missão da FNAP é a defesa e representação dos interesses da Apicultura Portuguesa, no país e no estrangeiro, tanto na componente económica da atividade, como na defesa de uma vida digna e de qualidade para todos os apicultores.
Desde a sua fundação, que como filiada na CAP, assumiu a representação dos apicultores portugueses e dos seus interesses, através da participação no Grupo Permanente “Apicultura” da Comissão Europeia e do Grupo de Trabalho “Mel” do COPA-COGECA. Presentemente tem assento em representação dos apicultores portugueses no Grupo de Acompanhamento do Programa Apícola e colabora com todas as entidades, nacionais e comunitárias, com responsabilidades na Apicultura, contribuindo para fazer ouvir a voz dos apicultores nacionais junto das entidades com poder de decisão.

Comente este artigo
Anterior Kaffa apresenta nova imagem e reforça capacidade produtiva em Portugal
Próximo I Congresso Internacional de Nutrição e Alimentação de Animais de Companhia - 27 e 28 Outubro 2017 - Vila Real

Artigos relacionados

Sugeridas

Agroglobal news: A Agroglobal está de volta e faz a análise do estado da nação agrícola

NÃO VAMOS BAIXAR A GUARDA
O nosso setor agrícola produz bens essenciais de uma forma segura e amiga do ambiente. […]

Últimas

Europa tem 300.000 empresas no setor agroalimentar

Existem cerca de 300.000 empresas na União Europeia a produzir alimentos e bebidas que empregam 4.7 milhões de pessoas. Os números são da última edição das Estatísticas da Agricultura, […]

Últimas

Áreas da saúde humana, animal e do ambiente juntas para combater resistência a antibióticos

O número de mortes não parará de aumentar e as estimativas apresentadas hoje referem que se nada for feito em Portugal em 2050 morreriam 49.900 pessoas devido a infeções intratáveis provocadas por bactérias multirresistentes. […]