Proteção Civil estima área ardida de dois mil hectares no fogo de Oliveira de Frades

Proteção Civil estima área ardida de dois mil hectares no fogo de Oliveira de Frades

A Proteção Civil estima que o incêndio que deflagrou na segunda-feira em Oliveira de Frades e foi dominado hoje, depois de se estender a Sever do Vouga e Águeda, tenha consumido uma área de cerca de dois mil hectares.

Durante uma conferência de imprensa no posto de comando situado em Sever do Vouga, o comandante operacional do Agrupamento Distrital do Centro Sul, Luís Belo Costa, disse que o incêndio “ficou dominado pelas 07:20”.

“Foi um trabalho bastante difícil como era expectável durante toda esta noite”, disse Luís Belo Costa, adiantando que a intensidade do vento acabou por ser maior do que o esperado, o que dificultou o combate às chamas.

Relativamente à dimensão do incêndio, o comandante referiu que se trata de uma “área apreciável”. “Ainda é uma estimativa que carece de melhor avaliação, mas diria que este incêndio aponta para uma área atingida na ordem dos 2.200 hectares”, disse.

O responsável adiantou que estão a decorrer operações de consolidação que vão durar “muito tempo”, sendo esperadas “inúmeras reativações” ao longo do dia.

“Áreas destas, com esta dimensão, levam muito tempo até ficar consolidadas. Vamos ter certamente ao longo de todo o dia inúmeras reativações aqui e ali, em sítios de maior dificuldade de trabalho e, portanto, estamos atentos a isso”, explicou.

Referiu ainda que os trabalhos de consolidação estão a ser executados com o recurso a “equipas apeadas junto ao perímetro e com o apoio das máquinas pesadas”.

De acordo com o mesmo responsável, mantêm-se no terreno 742 operacionais apoiados por 251 veículos, uma parelha de aviões bombardeiros carregados de água prontos a intervir em qualquer situação, um helicóptero de coordenação e um avião de monitorização equipado com câmara térmica.

“Neste momento, as condições meteorológicas estão favoráveis, oferecem uma boa oportunidade para manter este trabalho de consolidação com alguma segurança e garantia. Ainda assim, elas tenderão a agravar-se ligeiramente no período da tarde, esperamos que sem comprometer esta estratégia”, disse.

O incêndio deflagrou pelas 11:00 de segunda-feira numa zona de mato na localidade de Antelas, na freguesia de Arcozelo das Maias (distrito de Viseu), alastrando posteriormente aos concelhos de Águeda e Sever do Vouga (distrito de Aveiro).

Às 23:15 de terça-feira, o fogo em Águeda (já no distrito de Aveiro) estava circunscrito e no de Sever do Vouga (também em Aveiro), segundo o município, havia várias frentes ativas.

Num ponto de situação pelas 19:00, a Proteção Civil tinha indicado que 40% da área do fogo estava dominada.

Um bombeiro de 41 anos morreu na segunda-feira enquanto combatia este incêndio no concelho de Oliveira de Frades.

Comente este artigo
Anterior Live-stream Agroglobal 2020: Agricultura de precisão - 9 de setembro - manhã
Próximo Agricultura posiciona-se na linha da frente por uma economia melhor

Artigos relacionados

LIVE

Live-stream: InovTechAgro

Realiza-se esta quarta-feira, dia 16 de setembro, no INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, em Oeiras, a cerimónia de assinatura do protocolo de constituição do Centro […]

Últimas

Agricultores recorrem à internet

Muitos agricultores com dificuldades em escoar a produção têm-se virado para a internet. Em Vila Real, a associação Growgreen Food […]

Nacional

Incêndios: Fogos em Proença, Arouca e Torre de Moncorvo mobilizam 660 operacionais

Os incêndios que lavram hoje em Proença-A-Nova (Castelo Branco), Arouca (Aveiro) e em Torre de Moncorvo (Bragança) são neste momento os fogos que mais preocupam a Proteção Civil, […]