Proprietários depositam “grandes expectativas” no Conselho de Ministros dedicado à floresta

Proprietários depositam “grandes expectativas” no Conselho de Ministros dedicado à floresta

Conselho de Ministros desta quinta-feira será dedicado às florestas. Associações que representam proprietários florestais aplaudem a iniciativa.

Os proprietários florestais têm “grandes expectativas” sobre o que pode ser decidido no Conselho de Ministros dedicado às florestas, que esta quinta-feira vai ser presidido pelo Presidente da República, prevendo-se a discussão do regime jurídico de arrendamento forçado e do Programa Nacional de Ação do Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais.

Luís Damas, representante da Federação Nacional das Associações dos Proprietários Florestais (FNAPF) explicou à TSF as políticas que gostava de ver aplicadas daqui para a frente: “mudar a filosofia de investimento a longo prazo, mudar a paisagem, dar mais dinheiro ao minifúndio” onde há mais incêndios, enumera.

Também criar infraestruturas de combate às chamas dentro das florestas, à semelhança do que já foi feito perto de casas e estradas, para que estas “não sejam tomadas pelos incêndios por falta de gestão.

Os proprietários florestais pediram o adiamento da data limite para limpeza dos terrenos e esta quinta-feira o ministro do Ambiente adianta à TSF que Governo decidiu alargar o prazo.

O prazo previsto acaba dentro de 11 dias, a 15 de março, e a nova data limite para que os proprietários não sejam sujeitos a multas ainda não está definida, mas Pedro Matos Fernandes já deixou a garantia de que o prazo será prolongado devido à chuva abundante que caiu em fevereiro.

Também Luís Braga da Cruz, presidente da associação Forestis, espera que seja valorizado o papel das organizações de produtores florestais.

Por sua vez, o Representante do Observatório Técnico Independente sobre incêndios criado pelo Parlamento, Francisco Castro Rego, defende que o país já devia ter definido metas para a transformação da paisagem “no país inteiro”.

Em direto na TSF, Francisco Castro Rego diz que os especialistas do observatório não foram consultados, nem sabem o que consta no Programa Nacional de Ação do Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais que vai ser apresentado neste Conselho de Ministros.

Este será o quarto Conselho de Ministros dedicado às florestas realizado pela atual governação do PS, depois de avançar com o pacote legislativo da reforma da floresta em outubro de 2016, inclusive o cadastro e a proibição de novas plantações de eucalipto, com a apresentação da versão final em março de 2017 e, depois, uma terceira reunião em outubro de 2018, ainda que tenham sido apresentadas medidas avulsas em outros momentos.

Continue a ler este artigo na TSF.

Comente este artigo
Anterior A perigosa descida do nível das águas subterrâneas
Próximo Estudo| Uso prolongado de bioinseticida à base de Bt gera resistência

Artigos relacionados

Blogs

O futuro da Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC pós-2020

Um dos principais desafios a enfrentar pela humanidade nas próximas décadas, vai ser o de produzir os alimentos necessários para satisfazer, até 2050, as necessidades de mais cerca […]

Vídeos

Faça Chuva Faça Sol – T.4 Ep.13

Neste programa, visitámos o Banco Português de Germoplasma Vegetal, um dos maiores do mundo e onde estão crioconservados cerca de 48 000 […]

Nacional

Crise económica em Portugal: Por preços nunca antes navegados

Acabada de sair de uma recessão histórica, a economia nacional enfrenta uma crise de escassez e de subida de preços que pode demorar meses até ser resolvida […]