Promoção da Cebola Roxa de Montemor-o-Novo

Promoção da Cebola Roxa de Montemor-o-Novo

No decorrer da Implementação da Estratégia Alimentar – SMEA em Montemor-o-Novo, foi decidido pelo Conselho SMEA, promover e dinamizar como produto endógeno do concelho a Cebola Roxa. A promoção deste produto está a ser efetuada pela Câmara Municipal de Montemor-o-Novo e o Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da Universidade de Évora (MED). Com esta valorização, pretende-se que esta variedade tradicional do concelho, que quase já não se produz, conhecida pelo seu sabor característico e apreciada pela sua suavidade, e pelo seu período de conservação, se traduza numa maior produção, atração de novos produtores, promovendo práticas produtivas sustentáveis e incrementando o seu consumo.

O projeto Cebola Roxa de Montemor-o-Novo, tem como linhas de atuação principais:

  • salvaguardar o património genético, aumentando o número de sementes disponíveis;
  • estabelecer uma rede de apoio técnico a produtores que queiram produzir a variedade, que lhes garanta orientação e apoio na resolução de problemas;
  • proporcionar aos produtores já existentes e aos novos que se queiram instalar, uma oportunidade de negócio através do escoamento e preço correto do produto;
  • valorizar o produto junto do consumidor;
  • ganhar escala através da junção de produção de produtores diversos.

Assim, no início de março do corrente ano, foi realizada uma reunião com todos os produtores interessados em produzir Cebola Roxa de Montemor-o-Novo e a Câmara Municipal de Montemor-o-Novo. Na sequência desta reunião, no âmbito das atividades previstas na SMEA, está a ser fornecido a título gratuito, aos 18 produtores que irão produzir a Cebola Roxa de Montemor-o-Novo, o cebolo pronto para ser plantado.

Espera-se desta forma, fomentar o sistema alimentar local ao nível do aumento da produção associando produtos, tentando criar sinergias nas suas várias vertentes (produção, comercialização, consumo final) com todos os atores da comunidade.

Esta intervenção pretende complementar a rede de produtos locais de referência no concelho: carne, uva/vinho, bolota, mel e chocolate, contribuindo assim para uma economia local rica e diversificada.

Comente este artigo
Anterior Humanos moldam Terra há 12.000 anos, insustentabilidade é fenómeno da era industrial - estudo
Próximo ENRD lança ficha sobre como valorizar as práticas de gestão agrícola e florestal sustentáveis através da PAC

Artigos relacionados

LIVE

Live-stream: GPP Debate “Macroeconomia e Agricultura” – Cultivar

O GPP vai promover o respetivo debate em sessão transmitida on-line no próximo dia 3 de julho às 10h30, numa mesa redonda moderada por […]

Nacional

O governo da “desprotecção” civil: como é possível?

1. É absolutamente incompreensível que o Governo português não tenha aderido ao “novo” Mecanismo de Protecção Civil da União. Foi com surpresa, […]

Nacional

Centro já começou a limpar fundos comunitários parados. Candidaturas aprovadas recuam quase 2%

Com a pandemia de Covid-19, o Executivo decidiu suspender a “operação limpeza”. Mas o Programa Operacional do Centro adiantou-se e no primeiro […]