Projeto Mobfood quer responder aos desafios do agroalimentar e tornar setor sustentável

Projeto Mobfood quer responder aos desafios do agroalimentar e tornar setor sustentável

O projeto de investigação MobFood, lançado pelo Portuguese Agrofood Cluster, quer responder aos desafios do setor agroalimentar, tendo em vista tornar o setor mais competitivo, sustentável e seguro, com alimentos de qualidade.

De acordo com a informação do projeto, a que a Lusa teve acesso, o Mobfood, que reúne 43 entidades nacionais, pretende dar resposta aos desafios colocados pelo mercado agroalimentar, tendo permitido às empresas do setor agroalimentar e entidades não empresariais do sistema de investigação e inovação (ENESII) dar resposta aos desafios lançados.

Este projeto contém três pilares de atuação – segurança alimentar e sustentabilidade, alimentação para saúde e bem-estar e alimentos seguros e de qualidade.

O objetivo passa pela implementação de soluções baseadas nestes pilares, tendo em vista tornar o setor sustentável, eficiente e seguro.

O MobFood promove ainda estratégias de crescimento baseadas “no reforço da capacidade tecnológica, da inovação e do I&D (Investigação e Desenvolvimento) orientadas para a obtenção de novos produtos, serviços e processos/tecnologias.

O projeto, construído pelo Portuguese Agrofood Cluster, está estruturado em oito produtos, processos e serviços (PPS), nomeadamente, resíduos e utilização eficiente dos recursos, embalagens sustentáveis, nutrição, saúde e bem-estar, qualidade e segurança alimentar, autenticidade e rastreabilidade, logística, consumidor – novas tecnologias de avaliação, coordenação de projeto, promoção, disseminação e exploração de resultados.

Cada PPS é composto por parceiros industriais e científicos que respondem a objetivos assentes na estratégia do programa.

Conforme foi hoje apresentado, ao nível dos resíduos e utilização eficiente dos recursos, está prevista a valorização dos vegetais, com novos produtos após secagem (em formato fatiado, pó e polpa congelada), afiambrados vegetarianos e cogumelos “sapróbios crescidos em composto obtido a partir de produtos de menor valor acrescentado”, enquanto ao nível da valorização de afluentes são apresentados o processo de reutilização de salmoura e a valorização dos efluentes de cozedura por incorporação de extrato de bolota.

No que diz respeito às embalagens sustentáveis, é apresentada uma proposta assente em filme multicamada reforçado com nanopartículas, com agente antioxidante ou com revestimento comestível.

Em termos de nutrição, saúde e bem-estar, a meta passa por investigar e desenvolver “produtos alimentares nutricionalmente equilibrados, inovadores e com alegações nutricionais”.

“Da parceria entre entidades industriais, foram testadas várias versões dos produtos alimentares, resultando em dois ‘kits’ de pequeno-almoço com contribuições nutricionais distintas”, revelou, acrescentando que o primeiro é composto por uma bebida com sabor ‘mocha’, queijo com esferas de maracujá e sementes e bolacha com preparado de laranja e proteína, enquanto o segundo contém uma bebida com sabor a ‘mocha’, queijo com esferas de maracujá e sementes e uma barra com preparado de laranja e proteína.

O MobFood quer ainda implementar novas práticas de higiene e segurança alimentar, metodologias para a desinfeção de produtos, bem como desenvolver novos produtos derivados de cereais “com teor reduzido de acrilamida”.

Paralelamente, prevê-se o desenvolvimento de metodologias para aferir a autenticidade e rastreabilidade da pera rocha, maçã de Alcobaça e queijo da Serra e aferir a origem de produtos frescos, ao longo de toda a cadeia de valor.

Neste âmbito, foram desenvolvidos métodos que, por exemplo, permitem discriminar as maçãs IGP (Indicação Geográfica Protegida) Alcobaça de maçãs fora da zona IGP (Armamar, Carrazeda de Ansiães e Cova da Beira) e permitem diferenciar a pera rocha do Oeste DOP (Denominação de Origem Protegida) de pera rocha fora da zona DOP (Alandroal).

Estes métodos possibilitam também a discriminação de queijo da Serra da Estrela DOP de queijo de Azeitão e determinar os períodos de produção conducentes a queijo Serra da Estrela DOP.

Por outro lado, este projeto tem por objetivo investigar e desenvolver “metodologias inovadoras de gestão e processos logísticos”, bem como novas metodologias de avaliação da resposta do consumidor a novos produtos, processos e serviços.

Com o MobFood é esperado o crescimento do setor, a melhoria da competitividade, bem como um “impacto positivo” em outras áreas de atividade, como a saúde, turismo, novas tecnologias e ambiente.

O projeto é financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, no âmbito do Programa Operacional para a Competitividade e Internacional do Portugal 2020.

Comente este artigo
Anterior Setor do azeite prevê atingir maiores valores de produção de sempre
Próximo Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo premiado nos IRGAwards

Artigos relacionados

Últimas

Melão, tomate e uva em risco de apodrecer. Máquinas foram obrigadas a parar

Os agricultores estão a contestar a proibição decretada pelo Governo, que impede todos os trabalhos rurais até às 24 horas de terça-feira, para reduzir […]

Últimas

Oferta de emprego – Doutorado – Ciências Agrárias – Aveiro

Exercício de atividades de investigação científica na área científica de Ciências e Engenharia do Ambiente, com vista ao desenvolvimento de trabalhos […]

Últimas

Bruxelas promove Fórum anual para o Futuro da Agricultura – 31 de março

O Fórum anual para o futuro da agricultura (FFA) vai realizar-se em Bruxelas, no próximo dia 31 de março de 2020 para mais um estimulante debate sobre o futuro da agricultura europeia e mundial. […]