Proibição de circular na Serra de Sintra prolongada até final de sábado

Proibição de circular na Serra de Sintra prolongada até final de sábado

Na quarta-feira, a Câmara Municipal de Sintra, no distrito de Lisboa, tinha determinado a interdição do trânsito na Serra de Sintra entre as 00:00 de quinta-feira e as 23:59 de sexta-feira.

No entanto, na sequência do alerta vermelho emitido pela Proteção Civil, o presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), decidiu prolongar esta medida por mais 24 horas, vigorando agora esta proibição até às 23:59 de sábado.

“Urge proteger quem vive e visita Sintra com a adoção de medidas adequadas no âmbito da Proteção Civil. Urge preservar a Serra de Sintra, Património Mundial UNESCO da Paisagem Cultural, e defendê-la para as gerações vindouras”, sublinha a nota.

Nesse sentido, a circulação na Serra de Sintra ficará interditada, exceto para veículos de moradores e de empresas aí sedeadas, transportes públicos de passageiros (todos os veículos titulares de alvará emitido pelo IMT que realizam o transporte de passageiros), veículos de socorro, de emergência e das entidades integrantes do Sistema de Proteção Civil.

“A situação de interdição do trânsito nas vias municipais do Perímetro da Serra de Sintra será avaliada, de 12 em 12 horas, podendo a interdição ser agravada ou desagravada, tendo em conta as condições que se possam vir a registar”, aponta o despacho municipal.

Esta medida decorre de uma metodologia aprovada em maio deste ano pelo executivo municipal, segundo a qual, “quando a autoridade competente de Proteção Civil emitir um ‘alerta laranja’ para o distrito de Lisboa, o presidente da Câmara pode determinar a interdição do trânsito nas vias municipais que integram o perímetro da serra”.

Na quinta-feira, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) decretou o alerta vermelho para 10 distritos de Portugal, devido ao risco agravado de incêndios provocado pelo calor esperado nos próximos dias.

Os 10 distritos são Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém, Setúbal, Vila Real e Viseu.

Em conferência de imprensa realizada na sede da ANEPC, em Carnaxide, concelho de Oeiras, distrito de Lisboa, a segundo comandante Patrícia Gaspar alertou para um “cenário sério e complexo” que se irá verificar nas próximas 48 horas devido às condições meteorológicas, o qual pode potenciar a ocorrência de incêndios florestais.

Também o Governo decidiu declarar a situação de alerta em Portugal continental entre as 00:01 de sexta-feira e as 23:59 de sábado, devido ao “agravamento do risco de incêndio” decorrente do estado do tempo.

Com esta situação de alerta passam a estar em vigor “medidas bastante restritivas relativamente ao uso do fogo”.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Incêndio combatido por mais de 300 operacionais na Sertã obriga ao corte da EN2
Próximo O olival intensivo ocupa apenas “1,5% do conjunto da área do Alentejo”?

Artigos relacionados

Nacional

Há sete meses que quase não chove no Algarve e a seca é extrema

Autarcas reivindicam a construção de uma nova barragem. A empresa Águas do Algarve garante que até final do ano não faltará água nas torneiras. […]

Nacional

Pacto Ecológico Europeu: 1000 milhões de euros para impulsionar transição ecológica e digital

A Representação em Portugal da Comissão Europeia, através da sua Newsletter RAPID – Boletim Informativo de hoje divulga o lançamento de convite à apresentação de propostas no valor de mil […]

Internacional

Sistemas integrados melhoram em até cinco vezes a produtividade de carne

Como passar de 4 a 6 arrobas de carne por hectare ao ano para uma produtividade pecuária de 20 a 30 […]