Produtores lançam marca Cereais do Alentejo e querem 2,5 ME de faturação até 2021

Produtores lançam marca Cereais do Alentejo e querem 2,5 ME de faturação até 2021

[Fonte: Observador]

A Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais lançou hoje a marca Cereais do Alentejo, para comercializar, em dois anos, 10 mil toneladas de cereais, faturando entre 2,5 e 2,7 milhões de euros anuais.

“Nos últimos anos, a área dos cereais tem vindo a decrescer gradualmente e isto acontece por várias razões, uma das quais a volatilidade do preço dos cereais […]. Embora Portugal não tenha condições para competir com o resto do mundo em termos de quantidade, tem-no em qualidade, que é reconhecida pelas indústrias”, afirmou, em declarações à Lusa, o presidente da Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais (ANPOC), José Pereira Palha.

Para o responsável o caminho para Portugal se afirmar neste setor passar por valorizar a produção, criando para isso uma marca onde o cereal é “completamente certificado” e controlado desde o campo ao produto final, tendo assim o consumidor a garantia da qualidade do produto.

“É uma maneira de valorizarmos o que é nosso, promovendo a economia regional e uma série de aspetos do mundo rural”, assegurou.

Em termos de negócio, o objetivo é que a marca, constituída pelas organizações Agrupamento de Produtores de Cereais do Sul, Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches, Cooperativa Agrícola de Beringel, GlobAlqueva e Procereais, consiga comercializar 10 mil toneladas de cereais, até 2021, o que implica uma área de produção de mais de três mil hectares e um volume de negócios entre 2,5 e 2,7 milhões de euros anuais.

De acordo com a associação, o lançamento desta marca está também relacionado com a estratégia do Governo para a promoção da produção cerealífera, embora a ideia já tenha surgido anteriormente.

A médio prazo, as organizações de produtores pretendem candidatar-se a fundos europeus, por exemplo, ao programa Alentejo 2020, para aumentarem o orçamento para a promoção da marca.

“Temos de criar no consumidor a vontade de querer este produto. Cada vez mais, o consumidor tem uma maior necessidade de saber o que come e é mais exigente na qualidade do produto e até na maneira como é produzido. Temos que mostrar ao consumidor que cumprimos esses requisitos e isso é uma coisa que não se faz de um momento para o outro, mas é esse o caminho e acreditamos que vamos ter sucesso”, acrescentou José Pereira Palha.

Para já, a promoção do selo Cereais do Alentejo vai ser feita através dos contratos celebrados com algumas empresas como a Sonae e a Auchan.

“O nosso maior contrato é com a Sonae. Neste momento, para a próxima campanha, são 3.600 toneladas e ainda poderá vir a aumentar. Temos um contrato mais pequeno com a Auchan e estamos em negociação com outras grandes superfícies”, avançou.

A celebração de contratos anuais vai assim permitir controlar a “volatilidade do preço”, uma vez que o produtor fica a saber, antecipadamente, a quanto vai vender a sua produção.

“Em teoria e em bom rigor, será um valor acrescido ao cereal importado. Para além de garantir a estabilidade do valor, também garante um preço melhor. Não será um risco tão grande”, explicou.

A ANPOC é uma associação sem fins lucrativos, que existe há 35 anos e que representa a totalidade da produção de cereais em Portugal.

Comente este artigo

O artigo Produtores lançam marca Cereais do Alentejo e querem 2,5 ME de faturação até 2021 foi publicado originalmente em Observador.

Anterior Hoy finaliza el plazo para cumplir con algunos requisitos de las ayudas directas
Próximo Sancha e seus encantos: As camarinhas - 5 de junho - Sines

Artigos relacionados

Últimas

1694 concessões em 10 anos. “Nunca seremos um grande produtor de patentes”

[Fonte: Dinheiro Vivo – empresas]
Em 2018, as entidades portugueses registaram 220 pedidos de patentes no Instituto Europeu de Patentes (EPO). Os dados divulgados esta semana revelam um crescimento de 46,7%. Ainda assim, há quem olhe com cautela para estes números. […]

Nacional

Quem quer vai, quem não quer manda

[Fonte: Público]

O Estado resolveu mandar os proprietários fazer o que convinha ao Estado, dizendo que estava a fazer a reforma de uma floresta que não lhe pertence.
Portugal não tem um problema florestal, Portugal tem um problema de gestão das suas paisagens rurais, […]

Nacional

Incêndio do Fundão em fase de rescaldo e vigilância

[Fonte: O Jornal Económico]
O incêndio do Fundão, em Pêro Viseu, que deflagrou sexta-feira, está em fase de rescaldo e vigilância, depois de ter sido dominado às 01:06, disse à lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco. […]