Produtividade florestal e diversidade: o perfil único da floresta portuguesa

Produtividade florestal e diversidade: o perfil único da floresta portuguesa

Com valores elevados de produtividade potencial e uma das maiores percentagens de floresta protegida na Europa, as florestas portuguesas apresentam características favoráveis à produção e habitats diversos que importa proteger.

Os recursos naturais da região mediterrânica permitem que esta seja um hotspot de biodiversidade e um dos habitats naturais mais ricos do mundo. O clima – caraterizado por temperaturas amenas, invernos com chuva e verões quentes e secos – possibilita períodos de crescimento prolongados que levam a que a produtividade florestal potencial seja elevada. Pela sua posição geográfica, os ecossistemas florestais portugueses destacam-se pela sua produtividade e matriz de biodiversidade.

Como consequência destas circunstâncias favoráveis, várias espécies florestais plantadas no nosso país, como o pinheiro-bravo (Pinus pinaster), pinheiro-manso (Pinus pinea) ou o eucalipto (Eucalyptus globulus) em Portugal Continental, ou a criptoméria nos Açores (Cryptomeria japonica), apresentam valores elevados de produtividade florestal potencial.

Produtividade primária líquida (PPL) dos ecossistemas europeus

Fonte: Foley, J.A., I.C. Prentice, N. Ramankutty, S. Levis, D. Pollard, S. Sitch, and A. Haxeltine, An Integrated Biosphere Model of Land Surface Processes, Terrestrial Carbon Balance and Vegetation Dynamics, Global Biogeochemical Cycles, 10, 603-628 (1996)

Produtividade florestal média por espécie, em Portugal
(m3/ha/ano)

22% de floresta protegida em Portugal

A diversidade da floresta faz com que Portugal seja o quarto país europeu com maior percentagem de floresta protegida: cerca de 22%, atrás da Itália (33%), Alemanha (29%) e Liechtenstein (26%), segundo o relatório State of Europe’s Forests 2015.

Floresta sob regimes de proteção

Segundo o relatório de Caracterização da Fileira Florestal de 2014 da AIFF – Associação para a Competitividade da Indústria da Fileira Florestal, as áreas florestais ocupam ainda 35% das Zonas de Proteção Especial (ZPE – Diretiva Aves) e 47% das Zonas Especiais de Conservação (ZEC – Diretiva Habitats), classificação efetuada no âmbito da Rede Natura 2000.

Relatório Completo (2019) do IFN6 destaca que 20% dos pontos de amostragem localizados em floresta são habitats e 14% apresentam um bom estado de conservação. De realçar que a identificação de habitats ocorre para além das áreas classificadas com estatuto de conservação, de acordo com a Diretiva Habitats. Alguns dos mais representados são os montados de sobro e azinho (habitat 6310), os bosques de sobreiro (habitat 9330), os carvalhais (habitat 9230) e os azinhais (habitat 9340).

Por espécie, os povoamentos de pinheiro-bravo são os que concentram uma maior área na Rede Nacional de Áreas Protegidas: 51 mil hectares (o que corresponde a 7% da área total da espécie). Seguem-se a azinheira, com 25 mil hectares (7% da área total da espécie), e o eucalipto, com 18 mil hectares (2% da área total). Os dados são do 6.º Inventário Florestal Nacional.

As florestas portuguesas – quer sejam de conservação ou de produção – têm também um papel importante a desempenhar em termos de ação climática, devido à capacidade de sequestro de carbono dos ecossistemas florestais. Nesse sentido, o relatório sumário do IFN6 destaca o pinheiro-bravo como a espécie florestal com maior acumulação de biomassa total e, por consequência, maior quantidade de carbono armazenado. Seguem-se os eucaliptos e os sobreiros.

O artigo foi publicado originalmente em Florestas.pt.

Comente este artigo
Anterior Lançado concurso para primeiros estudos de viabilidade de projeto de regadio para o Tejo
Próximo Produção de Batatas em cama de Eucalipto

Artigos relacionados

Notícias apoios

Câmara de Torre de Moncorvo apoia produtores agrícolas e pecuários afetados pelos incêndios

O Município de Torre de Moncorvo apoiou os produtores agrícolas e pecuários afetados da União de Freguesias de Adeganha e Cardanha, afetados pelo incêndio que deflagrou em Agosto passado […]

Eventos

Inscrição – 9º Colóquio Nacional do Milho 2018 – 07 de Fevereiro 2018 – Póvoa do Varzim

A ANPROMIS organiza o seu 9º Colóquio Nacional do Milho, no próximo dia 07 de Fevereiro de 2018, no Hotel Axis Vermar, na Póvoa do Varzim.
Ponto de encontro obrigatório para os produtores nacionais de milho, técnicos e empresários agrícolas

Últimas

II Congresso Internacional sobre Produção e Utilização de Insetos

Durante dois dias (27 e 28 de junho), a Associação Portuguesa de Engenharia Zootécnica, em parceria com a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, […]