Produção na batata de regadio e de tomate para a indústria aumenta 15%

A produção de batata de regadio e de tomate para a indústria deverão aumentar 15%. Estas são as previsões do Instituto Nacional de Estatística (INE) no seu Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2019.

Dizem os técnicos do INE que a apanha da batata de regadio tem decorrido, desde o início do Verão, sem incidentes, prolongando-se em algumas regiões do litoral Centro e do Ribatejo e Oeste para além do previsto, face ao aumento de produtividade e à maior dificuldade de escoamento daí decorrente.

“Este facto, conjugado com o aumento da área plantada, face a 2018, levou a um aumento generalizado de produtividade, em alguns casos resultante de um maior número de tubérculos por planta, noutros devido ao maior calibre das batatas. A produção deverá aumentar 15% em relação à campanha anterior, situando-se próxima das 430 mil toneladas”, revela o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2019.

Batata com melhor qualidade

De referir também a melhoria generalizada na qualidade do produto, quer ao nível do peso específico, quer da diminuição da percentagem de tubérculos com defeitos.

Campanha produtiva no tomate para a indústria

Quanto à colheita do tomate para a indústria, esta decorreu entre a primeira semana de Agosto e a primeira semana de Outubro.

“A calendarização das entregas à indústria foi escrupulosamente cumprida, tendo a colheita mecânica desta cultura beneficiado do tempo seco. O aumento da produção deverá ascender a 15% face a 2018, ultrapassando 1,4 milhões de toneladas, numa das campanhas com mais elevada produtividade desde que existem registos estatísticos sistemáticos”, dizem os técnicos do INE.

De notar que o tomate entregue à indústria apresentava, no geral, bom estado sanitário, teores adequados de licopenos (responsáveis pela cor vermelha do tomate) e graus Brix elevados.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Governo estuda introdução de espécies florestais não autóctones, mais adaptadas às novas condições climáticas
Próximo Edição de genomas|E se aproveitássemos o seu potencial?

Artigos relacionados

Últimas

Produtores lançam marca Cereais do Alentejo e querem 2,5 ME de faturação até 2021

A Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais lançou hoje a marca Cereais do Alentejo, para comercializar, em dois anos, […]

Newsletters

Rede Europeia de Desenvolvimento Rural publica Newsletter de abril 2020

A Rede Europeia de Desenvolvimento Rural lançou a ENRD Newsletter de abril de 2020 a qual, entre outros, aborda os seguintes assuntos:

Projeto do mês: exploração de bovinos na Letónia investe em maquinaria mais eficiente e amiga do ambiente
Respostas rurais à […]

Nacional

Conferência analisa estenfiliose ao detalhe – 28 de junho – Caldas da Rainha

Na estratégia de promover iniciativas direcionadas ao setor produtivo a organização da Feira Frutos realiza no dia 28 de junho, no Pequeno Auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, […]