Produção experimental de chá branco nos Açores desperta interesse internacional

O secretário Regional da Agricultura e Florestas revelou que a produção experimental de chá branco levada a cabo pelo Serviço de Desenvolvimento Agrário de São Miguel (SDASM) está a despertar um crescente interesse internacional, destacando a recente visita de quatro professoras da Universidade de Hunan, na China, que trabalham no sector do chá, para conhecer as produções locais.

“A valorização desse produto experimental e a sua colocação no mercado vem evidenciar o potencial de uma cultura tradicional que tem muito espaço para crescer, através de caminhos inovadores”, afirmou João Ponte, acrescentando que o chá é uma cultura tradicional que, além da vertente económica, desperta também interesse agrícola, paisagístico e turístico.

Actualmente, os Açores são o único lugar na Europa onde é possível encontrar plantações de chá para fins industriais, tendo duas fábricas em laboração, Porto Formoso e Gorreana.

João Ponte destacou que, pela primeira vez este ano e fruto de muita experimentação, foram vendidos, através de um concurso público, 60 quilos de chá branco produzido pelo SDASM, que foram adquiridos por empresas locais e continentais.

Aposta na melhoria do conhecimento

Num contexto de aposta na melhoria do conhecimento, a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas possibilitou este ano a visita à China de uma técnica superior, Clara Estrela Rego, que trabalha no sector do chá.

A deslocação, integrada na visita de estudo ‘Tea Tour’, organizada pela recém-formada Associação Europeia de Produtores de Chá, teve como objectivo visitar diversas zonas de plantação e fabrico de diferentes tipos de chás.

Em resultado dessa viagem e dos contactos estabelecidos, uma comitiva de quatro docentes universitárias da China deslocou-se recentemente a São Miguel para conhecer a realidade local nesta área de actividade, o que poderá vir a dar lugar ao estabelecimento de uma parceria técnico-científica entre a China e os Açores, a fim de estudar e potenciar o chá açoriano.

“A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através do SDASM, tem estado desde sempre disponível para colaborar na procura de melhores soluções para a evolução de um sector com tanto potencial, seja ajudando os produtores já instalados, seja com futuros produtores”, referiu João Ponte, destacando que o chá é uma bebida apreciada em todo o mundo, com reconhecidas propriedades desintoxicantes e que faz bem à saúde.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Veracruz investe 50 M€ em amendoal em Portugal
Próximo Acordo Mercosul/UE ameaça pecuária nacional. Fenapecuária pede intervenção do Governo

Artigos relacionados

Últimas

Sin tendencia clara en los precios de las almendras

La actividad comercial en el mercado de las almendras se mantiene bajo mínimos y las lonjas no recogen una tendencia clara en sus cotizaciones. […]

Últimas

Alemania quiere lavar su conciencia apostando por un certificado del bienestar animal antes que por el dinero de la PAC

Los ministros de Agricultura y Pesca de la Unión Europea (UE) analizarán a final de mes las «lecciones» de la covid-19 para el futuro de la producción agroalimentaria, como paso previo a la […]

Nacional

Governo aprova quatro novas centrais de biomassa num investimento de 185 milhões

O Governo deu luz verde a quatro novas centrais elétricas de biomassa florestal, a instalar nos concelhos de Vila Velha de Rodão, […]