Produção experimental de chá branco nos Açores desperta interesse internacional

O secretário Regional da Agricultura e Florestas revelou que a produção experimental de chá branco levada a cabo pelo Serviço de Desenvolvimento Agrário de São Miguel (SDASM) está a despertar um crescente interesse internacional, destacando a recente visita de quatro professoras da Universidade de Hunan, na China, que trabalham no sector do chá, para conhecer as produções locais.

“A valorização desse produto experimental e a sua colocação no mercado vem evidenciar o potencial de uma cultura tradicional que tem muito espaço para crescer, através de caminhos inovadores”, afirmou João Ponte, acrescentando que o chá é uma cultura tradicional que, além da vertente económica, desperta também interesse agrícola, paisagístico e turístico.

Actualmente, os Açores são o único lugar na Europa onde é possível encontrar plantações de chá para fins industriais, tendo duas fábricas em laboração, Porto Formoso e Gorreana.

João Ponte destacou que, pela primeira vez este ano e fruto de muita experimentação, foram vendidos, através de um concurso público, 60 quilos de chá branco produzido pelo SDASM, que foram adquiridos por empresas locais e continentais.

Aposta na melhoria do conhecimento

Num contexto de aposta na melhoria do conhecimento, a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas possibilitou este ano a visita à China de uma técnica superior, Clara Estrela Rego, que trabalha no sector do chá.

A deslocação, integrada na visita de estudo ‘Tea Tour’, organizada pela recém-formada Associação Europeia de Produtores de Chá, teve como objectivo visitar diversas zonas de plantação e fabrico de diferentes tipos de chás.

Em resultado dessa viagem e dos contactos estabelecidos, uma comitiva de quatro docentes universitárias da China deslocou-se recentemente a São Miguel para conhecer a realidade local nesta área de actividade, o que poderá vir a dar lugar ao estabelecimento de uma parceria técnico-científica entre a China e os Açores, a fim de estudar e potenciar o chá açoriano.

“A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através do SDASM, tem estado desde sempre disponível para colaborar na procura de melhores soluções para a evolução de um sector com tanto potencial, seja ajudando os produtores já instalados, seja com futuros produtores”, referiu João Ponte, destacando que o chá é uma bebida apreciada em todo o mundo, com reconhecidas propriedades desintoxicantes e que faz bem à saúde.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Veracruz investe 50 M€ em amendoal em Portugal
Próximo Acordo Mercosul/UE ameaça pecuária nacional. Fenapecuária pede intervenção do Governo

Artigos relacionados

Últimas

Alentejo: Produtores de vinho de talha ‘desvendam’ novas colheitas

Cerca de 30 produtores de vinho de talha portugueses e estrangeiros vão ‘desvendar’ as novas colheitas, durante um evento, a realizar em novembro, na Herdade do Rocim, […]

Dossiers

Cotações – Flores e Folhagens – Informação Semanal – 30 Setembro a 6 Outubro 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
Conjuntura semanal
Alstroeméria – Na Região Norte, na área de mercado de produção Entre Douro e Minho, […]

Dossiers

FLORESTGAL e Centro PINUS unem esforços por uma melhor floresta

A FLORESTGAL, a primeira empresa pública de gestão e desenvolvimento florestal a ser criada em Portugal, possui um total de 86 propriedades, e está presente em 26 concelhos […]